Ceclin
dez 17, 2020 0 Comentário


Pandemia Covid-19: Pernambuco suspende Carnaval 2021

Anúncio foi feito nesta quinta (17) pelo secretário estadual de Saúde, André Longo em entrevista coletiva transmitida pela internet. Festas e shows públicos e privados estão proibidos até o carnaval. Foto: Hélia Scheppa/SEI

O Carnaval de Pernambuco foi oficialmente suspenso, nesta quinta-feira (17/12), pelo governo do Estado, devido à pandemia do novo coronavírus. O anúncio foi feito pelo secretário estadual de Saúde, André Longo durante entrevista coletiva transmitida pela internet. Ele disse que, há quatro semanas seguidas, houve aumento no número de casos e de pacientes com Síndrome Respiratória Aguda Grave (Srag).

“Diante dos dados epidemiológicos e pelo fato de que, até meados de fevereiro não teremos, ainda, a maior parte da população vacinada, o carnaval de 2021 está suspenso em Pernambuco. Esta não é uma decisão fácil, é com pesar que anunciamos. O carnaval representa muito mais que uma festa para o povo pernambucano, mas, no atual contexto de pandemia, não há possibilidade de realização de um acontecimento desse porte, que mobiliza multidões e é, pela sua natureza, um momento de encontro, de aglomeração, que por vezes reúne milhões de pessoas”, disse.

De acordo com o secretário de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco, Bruno Schwambach, afirmou que a medida contempla festas e shows públicos e privados. No início de dezembro, esses eventos, incluindo de Natal e de ano novo, foram proibidos pelo governo pernambucano.

“Não pode ocorrer nenhum tipo de evento, shows e festas, para comemoração nem de prévias nem do carnaval em si, sejam públicos ou privados. Estamos estendendo uma medida anunciada na semana passada até o carnaval, para que as pessoas compreendam e se programem”, declarou Schwambach. Ele também anunciou que a partir do próximo sábado (19.12) a capacidade dos estabelecimentos do setor de alimentação estará limitada para no máximo 300 pessoas. “Essa atividade já tem um protocolo específico estabelecido: capacidade de 70%, mas não tinha uma quantidade teto. Então, em diálogo com o setor entendemos que é necessário manter a atividade funcionando, mas também precisávamos tomar algumas medidas de controle”, justificou.

SAIBA TAMBÉM:

Paulo Câmara prorroga até junho 2021 estado de calamidade pública em Pernambuco