Ceclin
nov 14, 2016 0 Comentário


O orçamento apertou ? Confira 5 dicas para fazer seu 13º salário render

Especialistas dão orientações de como gastar com inteligência e estratégia o 13º salário, que começa a ser pago já no final deste mês de novembro. 

67630185addd791fb97a316a3a56815aColocar as contas em dia para entrar em 2017 no azul é um desejo de muitos brasileiros e o 13º salário pode ser uma boa saída para ajudar a equilibrar as finanças. O pagamento do benefício é dividido em duas partes: a primeira deve ser paga até o próximo dia 30 e a segunda parcela até 20 de dezembro. Mas, uma vez com o dinheiro na conta, o perigo é cair em tentação e correr para as compras.

Para fazer esse dinheiro render e se planejar da melhor maneira, o economista e professor da UFPE, André Magalhães deu cinco importantes dicas, como priorizar as dívidas, fazer compras com cautela, guardar dinheiro, investir e planejar gastos futuros.

Dicas

1) Priorize as dívidas

Se você tem dívidas, o ideal é usar o 13º salário para quitá-las e começar o próximo ano com saldo positivo. As contas que possuem juros altos, como as faturas de cartões de crédito, por exemplo, devem ser prioridade. Também é preciso ter cuidado para não fazer novos parcelamentos e ficar endividado outra vez.

2) Faça as compras de fim de ano com cautela

Quem não tem dívidas para quitar e deseja gastar parte do 13º com os preparativos para as festas de fim de ano também precisa se planejar. “Nessa fase do ano todo mundo quer dar e receber presentes, gastar com roupas, calçados e acessórios para o lar. No entanto, deve ser feita uma análise, saber se o item realmente cabe no orçamento, para não extrapolar nas compras e comprometer a renda”, orientou André Magalhães. O especialista sugere que seja feita uma lista de prioridades. “A primeira coisa é olhar os produtos que você quer. Em seguida, liste-os e pesquise valores na internet. Após isso, vá nas lojas físicas que vendem o determinado produto. Isso ajuda a não cair em ciladas e comprar um produto mais caro e com menor qualidade”, explica o economista.

3) Reserve dinheiro para as despesas de início de ano

Antes de comprometer o salário extra é importante lembrar que o início do ano sempre chega com muitas despesas. É a vez de pagar os impostos como IPVA, IPTU e, para quem tem filhos, é preciso se preparar para comprar material escolar e fazer a matrícula do colégio. “As pessoas têm muita dificuldade em planejar o que precisam pagar no começo do ano. Pensar nas despesas do novo ano com base em estimativas do ano anterior é uma dica para não se descuidar e ficar endividado”, explica o economista.

4) Inicie um investimento

Se você não tem dívidas e quer fazer o dinheiro render, o ideal é investir. Mas para isso é importante conversar com o gerente de seu banco e escolher a melhor forma de investimento de acordo com a sua realidade financeira. Segundo André Magalhães, uma opção para quem não dispõe de muito dinheiro é o Tesouro Direto, que vende títulos públicos federais para pessoas físicas e oferece baixo risco. O programa permite aplicações a partir de R$ 30,00. Você pode conferir um passo a passo no site Tesouro Direto (clique aqui). Já a poupança deve ser evitada porque está rendendo abaixo da inflação. O especialista considera essa alternativa como um caminho para aqueles que, por hora, não sabem o que fazer com o valor, mas querem mantê-lo guardado.

5) Aprenda a planejar os gastos

A reeducação financeira não é simples para todos. Por isso, você pode contar com a ajuda de manuais e aplicativos para desenvolver desde as primeiras observações sobre o que é gasto e manter os acompanhamentos. A internet é uma ótima ferramenta para quem deseja explorar novos caminhos e aplicar no seu cotidiano alguns conceitos práticos da economia doméstica. Caso você não tenha separado dinheiro ao longo de 2016 para os gastos de fim de ano, que incluem as festas comemorativas, os presentinhos de amigo secreto e confraternização, a solução é apostar no planejamento das próximas despesas.

Se você for casado e tiver filhos, a dica é sentar com todos os parentes para saber o que está sendo gasto e o que realmente é necessário. “A família realmente precisa entender quais são suas prioridades e fazer uma média de gastos. Esse balanço deve ser feito no final do ano e revisado a cada mês”, finalizou o economista André Magalhães.

TV Jornal