• Ceclin
dez 04, 2008 3 Comentários


Novo escritor vitoriense é reconhecido lá fora

Publicado em 04.12.2008
As estranhas razões por trás dos desejos
O escritor Walther Moreira Santos lança amanhã, na Livraria Cultura, o seu premiado romance de herança existencialista, O ciclista

Schneider Carpeggiani

Não há saída. Há saída. O romance O ciclista, do pernambucano Walther Moreira Santos, equilibra suas pouco mais de 100 páginas em personagens encurralados entre o banal e o supérfluo, entre a esperança e o charme (e a angústia) de não ter esperança. Vencedor do 1º Prêmio José Mindlin de Literatura, o livro marca a maturidade literária de um autor que estreou com o auto-ajuda Dentro da chuva amarela (2000) – best-seller escrito sob pseudônimo para retratar sua experiência como portador de distúrbio bipolar.
O ciclista tem noite de autógrafos amanhã (05), a partir das 19h, na Livraria Cultura, e terá debate com o autor e participação do grupo literário Vacatussa. Polifônico, o livro aponta o destino de quatro personagens emparedados: um homem frustrado no casamento, arredio a convívio social e fascinado pelo irmão modelo internacional, esse modelo, um andarilho sem causa que promete entrar num mosteiro na idade limite de 35 anos, esposa dedicada que abandona o lar sem motivo aparente, um ciclista misterioso.
O personagem do modelo acaba erguendo todo significado da obra, com sua dualidade constante entre o apego material e um desejo espiritual fast-food, que concentra a atenção de todos os outros envolvidos na trama. Walther demonstra controle da técnica literária ao despedaçar o tempo e a narrativa ao descrever vidas igualmente despedaçadas.
O ciclista é um livro sobre paradoxos – A cidade minúscula em que vive um dos narradores não é muito diferente das metrópoles que o modelo internacional circula, o desejo pela paz parece mais um desejo consumista, em que o desejo por ter é maior que a vontade de possuir algum bem específico.
Qual será a razão de tudo isso? Parece questionar o autor, num livro de herança existencialista, que exige paciência e tempo do leitor, apesar do seu tamanho reduzido. Com O ciclista, Walther Moreira se consagra uma das vozes mais originais da literatura pernambucana hoje.
(Jornal do Commercio).