Ceclin
abr 06, 2010 1 Comentário


Nielson não apitará mais no Estadual

Árbitro foi punido por invalidar, de maneira equivocada, um gol do Vera Cruz


YURI DE LIRA

Não teve perdão. A Federação Pernambucana de Futebol (FPF), adotando uma política de tolerância zero, resolveu, ontem, punir o árbitro Nielson Nogueira Dias. No último domingo, ele invalidou um gol legítimo do Vera Cruz, que acabou empatando por 1×1 com o Sete de Setembro, no Gigante do Agreste. Uma cabeçada dada pelo atacante do Galo das Tabocas, Gilberto, aos 30 minutos da segunda etapa (quando o Lobo Guará vencia o duelo), entrou, de fato, na baliza, mas acabou furando a rede, o que fez o juiz se equivocar na decisão. O erro custou caro para os comandados do técnico Maurício Simões, e mais ainda para o “homem de preto”. O castigo foi o seu afastamento até o final desta edição do Campeonato Estadual.


Nielson, que estava sendo auxiliado por Charles Rosa e Roberto José na ocasião, era apontado como um dos árbitros de destaque deste Pernambucano e havia apitado, sem grandes contestações, dois clássicos: Santa Cruz x Náutico (no Arruda) e Sport x Santa Cruz (na Ilha do Retiro), ambos válidos pelo segundo turno do torneio. Entretanto, o bom retrospecto não foi capaz de evitar a “geladeira”. “Ele (Nielson) é um rapaz sério, mas errou.

Se deixarmos de puni-lo, vamos estar sendo coniventes com os erros”, afirmou o presidente da FPF, Carlos Alberto Oliveira. “Se outro juiz errar, que autoridade eu vou ter para exigir alguma coisa?”, acrescentou o mandatário da entidade máxima do futebol no Estado.

O gol não validado por Nielson trouxe prejuízos para os vitorienses. Deixaram de vencer o Sete, principal concorrente na briga contra o rebaixamento, e permanecem no penúltimo posto da tabela de classificação, com somente 15 pontos marcados. O Galo das Tabocas pretende tentar a anulação ou remarcação da partida diante dos garanhuenses. Porém, ainda não levou o caso para o Tribunal de Justiça Desportiva de Pernambuco (TJD-PE).

De acordo com o presidente do Vera Cruz, Fernando José Nogueira, nenhuma decisão vai ser tomada de forma precipitada. “Vamos buscar ainda uma orientação com o nosso Departamento Jurídico. Estamos analisando a situação”, afirmou o cartola. “Acho que amanhã (hoje), deveremos ter alguma posição sobre isso”, completou.

Esta não foi a primeira vez que o Galo teve um gol legítimo invalidado no Campeonato Pernambucano. No Estadual de 2007, quando o time enfrentou o Central, no Lacerdão, o meia Rivelino chutou uma bola de longe, que também entrou furando as redes adversárias. Mas, equivocadamente, o árbitro Wilson Souza alegou que ela tinha passado por cima do travessão e deu tiro de meta para o escrete de Caruaru.
Aquela partida acabou 2×1 em favor da Patativa. Na ocasião, os dirigentes do Galo entraram com uma representação no TDJ-PE e até conseguiram recuperar os pontos perdidos. Em vão.
O Central, por sua vez, ganhou, em segunda instância, no Superior Tribunal de Justiça Desportiva (STJD) e manteve o resultado do jogo intacto. Contudo, a Federação Pernambucana de Futebol (FPF) acabou punindo Wilson Souza, afastando-o dos gramados até o fim daquela competição.

(Folha de Pernambuco).