Ceclin
jan 18, 2016 0 Comentário


Monges em Folia traz tema “O Barril” no Carnaval 2016 da Vitória de Santo Antão

Monges em Folia com a Temperada - A Voz da Vitória

O último sábado (16/01) foi contagiado pela prévia da Troça Carnavalesca Companhia dos Monges em Folia regado a muito frevo pela Orquestra Temperada que animou foliões ansiosos para a chegada do Carnaval 2016 presentes na Cascatinha do Daniel, no Bairro Universitário da Vitória de Santo Antão, com transmissão  Ao Vivo pela Rádio Tabocas FM (98,5).

Atualmente, os Monges em Folia é uma das melhores e mais bem organizadas Troças carnavalescas de Vitória. O presidente Eliel Pereira dos Santos, o Léo dos Monges, adiantou que está tudo preparado para a saída da troça com a orquestra de frevo Temperada, da cidade de Chã Grande, regida pelo Maestro Márcio Carneiro, pelo qual vai assegurar a agitação durante a noite do Sábado de Zé Pereira, impreterivelmente às 21h32, repetindo sucessos ao longo dos seus 18 anos, saindo defronte a Igreja do Rosário, na Matriz.

Gilsemar Cavalcanti do Nascimento - “Semar”A prévia foi prestigiada por gente que integra famílias tradicionais, bem como dezenas de anônimos foliões que lotaram o espaço. Neste carnaval, os Monges prestam homenagens ao carnavalesco e desportista Joel Cândido Carneiro Neto, bem como dedica seu desfile ao saudoso Clube Vassouras O Camelo. O tema deste ano será “O Barril”, quando contará com a “Alegoria Brasil”, produzido pelo legorista e artista plástico vitoriense, Gilsemar Cavalcanti do Nascimento – “Semar”. O artista é responsável há mais de 20 anos pela confecção de grande parte dos estandartes dos clubes, blocos e troças que animam o carnaval vitoriense, sendo também responsável pelo boneco e demais peças carnavalescas que integram o desfile da troça.

anigifMonges 2016

Saiba as razões do Tema: “O Barril”

O Tanoeiro jamais pensou que seu trabalho artesanal em um recipiente cilíndrico, uma vez surgido na mesopotâmia muitos séculos antes de Cristo, poderia conservar grandes essências de sabores como vinhos, maltes, cachaças, cervejas, especiarias e até moedas.   Seja O Barril de “Amontillado” do Edgar Allan Poe ou até mesmo O Barril de Mirna Pinsky, podemos entender que entre mistérios e contos O Barril produz essências que aos longos dos anos nos transmite sabores inigualáveis. Assim é o Carnaval!

Quem não se lembra do seu primeiro e do último, da orquestra fervendo, do casal de pierrôs e colombinas no salão, das marchinhas, do cheiro rodouro no ar, da ciranda e do frevo, do carro alegórico, do estandarte, do livro de ouro, essa é a essência do nosso Barril.   Assim é o espírito de Joel Cândido Carneiro Neto, que aos 63 anos conservou lembranças e alegrias ao lado de sua Lurdinha. Esse carnavalesco aristocrático que já foi presidente do Imortal Clube Vassouras “O Camelo”, esse homem se traduziria como uma mistura viva dos antigos e atuais carnavais.

Em meados do final dos anos 70, Joel acabara de se tornar presidente do aristocrático verde e vermelho, no préstito daquele fim de década – o tema foi “Evoé, Viva o Carnaval”. Dona Lurdinha e Creusa Fischer estavam na confecção das fantasias, juntamente com a saudosa Cau Ferrer, quando a Orquestra Paranaguá de Limoeiro sob a regência do professor Clóvis Bezerra dava o ritmo do espetáculo. Joel fez parte dos 60 anos de glórias desse clube em 1981, no préstito, o tema em destaque foi o Mito, homenageando a civilização Asteca e dos Maias. Não sabia aquele homem que se tornaria um mito vivo à frente do apogeu daquele Clube, já aparecia Marcus Prado na redação dos textos.    Mas foi com a grande Orquestra de Limoeiro do Maestro José Mateus de Lucena (Seminha) que o Vassouras arrastou multidões ao som do trombone de prata, na Alegoria Valdir Maciel criava as Viagens de Marco Polo; Contudo na primeira alegoria “O Camelo”, estava o sorriso da jovem Maria Amélia Carneiro Beltrão “Mémeia”, era 1985 e o Aristocrático e Joel Neto estavam a todo vapor.

Nos 66 anos de glória do Vassouras, o ano era 1987, na homenagem central, o grande Deusdedth de Queirois Lisboa “Dedé”; O tema do Camelo era Capiba “O Compositor Maior” uma época em que Joel Neto traduzia na letra de Capiba “Os melhores dias de minha vida”, o aristocrático estava avassalador, José Edalvo colaborava com seus préstitos nesse período contemporâneo.      E trazendo à tona o grande Alceu Valença; Voltei Recife foi a saudade que me trouxe pelos braços, e alterando sua letra, digamos “Quero ver novamente o Vassouras na rua abafando tomar umas e outras e cair no passo” e nesse sentido surge a Exaltação a Recife, uma homenagem a capital do nosso Estado, onde representava a beleza da mulher recifense, Maria Luiza Ferrer de Morais.

Em meados dos anos 90, o Vassouras chega aos seus 70 anos de Glória e Joel Neto estava lá, fazendo uma grande homenagem ao jornal mais velho da América latina, “O Diário de Pernambuco” em seus 166 anos.   Sensibilizado, Joel Neto faz uma póstuma lembrança no préstito a inolvidável Cau Ferrer de Morais.

Assim é feito O Barril dos Monges em Folia, de sabores, essências, especiarias dos melhores teores que nossa terra pode produzir e conservar, assim é a figura carismática do amigo Joel Cândido Carneiro Neto – um inovador dos tempos áureos e um defensor do carnaval tradicional e espontâneo de uma geração.  (texto cedido pela Diretoria da Troça).

 

arte-2015SERVIÇO

Troça Carnavalesca Companhia dos Monges em Folia

Saída: Sábado de Zé Pereira, às 21h32

Local: Igreja do Rosário, Matriz da Vitória de Santo Antão

Preço: R$ 40,00 (com direito a cervejas, Pitú Cola e Teacher servidos por garçons ao longo do percurso).

Confecção da fantasia dos Monges pode ser encomendada através de Fátima Costureira, residente na Rua Amarela, Matriz.

CONHEÇA HISTÓRIA DA TROÇA AQUI