• Ceclin
jun 09, 2008 4 Comentários


Momento Político foi debatido na Mesa Redonda

Pedro Queiroz: “a situação política para o governador em Vitória é tranquila”.
Na última sexta-feira (06) a Mesa Redonda do Programa A VOZ DA VITÓRIA pela Rádio Tabocas FM tratou sobre o “Mundo Político hoje”, com a participação especial do Advogado Pedro Queiroz, que foi vereador em Vitória e é presidente do PPS local. Participaram ainda o Turismólogo Lissandro Nascimento e o acadêmico de Direito Manoel Júnior.
Fazendo uma análise das novas correlações de forças políticas no mundo, foi lembrada a onda de governos progressistas na América Latina e as prévias eleitorais do processo sucessório dos EUA. A questão da soberania da Amazônia brasileira e os acontecimentos recentes envolvendo o Exército brasileiro também foram ventilados. A agenda política do Congresso Nacional que discute a PEC dos Vereadores e a criação de um novo imposto e suas interferências nos acordos políticos em cada município do País foi o mote de discussão para subsidiar as avaliações do quadro político partidário em Pernambuco, sobretudo em Vitória de Sto. Antão.
Foi constatada a polarização política histórica na cidade, tendo em vista que Vitória sempre foi pautada pela existência de dois grupos políticos que dominam o quadro de poder no nosso Município, não permitindo até o momento, neste ambiente, uma terceira via. Foram questionados os métodos de disputa que os mesmos usam, de modo até primitivo (como no período feudal e colonial) menosprezando o conteúdo político da discussão de um governo voltado ao povo, tendo priorizado nesse cenário, os interesses de grupos familiares.
Além da “indústria da boataria instalada na cidade”, no debate foi levantado o modo como aqueles que têm mais dinheiro tentam instituir o “comércio de compras de partidos”, o qual a sociedade nota hoje “uma compra e venda que já virou moda em Vitória de Sto. Antão”, salientou Pedro Queiroz. Ainda afirmou que os partidos que não se vendem são os partidos que têm uma história ideológica, que preza pelo seu ideal e zela pela sua moral.
Apesar da dificuldade da consolidação de uma terceira via no Município, foi citado o esforço inicial de um Movimento partidário que poderia fazer a diferença no cenário político local, porém caiu disperso. Foi lembrado o “Bloco de Esquerda” nos eixos federal, estaduais e municipais que cumpre papel importante na acumulação de forças na defesa da sociedade, porém foi constatada a dificuldade em construir um bloquinho deste em Vitória, pois hoje na cidade os partidos da base aliada ao governo Lula e Eduardo não vêem o PSB local como aglutinador destes objetivos, visto que o PSB detém uma hegemonia autofágica.
Foi levantado no debate que o governador Eduardo Campos (PSB) não tem adversários em Vitória. Além das candidaturas a Prefeitura do atual prefeito, têm-se a do dep. Henrique Queiroz (PR) que estão na base aliada do governador. Sobra o dep. Elias Lira (DEM) que não faz oposição a Eduardo, pois segundo Pedro Queiroz “na Assembléia Legislativa Elias Lira é um conjunto vazio. Portanto, o governador tem uma posição política confortável na cidade”, concluiu.

Apresentação: Lissandro Nascimento.
Produção: Jáder Siqueira.
Equipe: Gilberto Júnior e Gabriela.