• Ceclin
dez 16, 2010 2 Comentários


Mano Holanda na "berlinda"

por Lissandro Nascimento.


Encerrando a sua gestão como presidente da Câmara de Vereadores da Vitória de Santo Antão neste final de ano, Mano Holanda (PMDB), será sucedido pelo presidente eleito José Aglaílson (PSB), os quais até época recente eram adversários declarados.

O fato do vereador Mano ter ajudado Aglaílson ser o presidente, parece que somente isso não é suficiente para aliviar os ataques dos antigos e dos novos aliados. A exemplo de Pedro Queiroz (PPS) e Geraldo Enfermeiro (PSB), ambos colocaram Mano Holanda na ‘berlinda’ na sessão dessa terça-feira (14).

Tudo por conta de um Parecer do Tribunal de Contas do Estado (TCE), Processo nº 1004964-2, de setembro deste ano, que tem como Relator Marcos Loreto. O Conselheiro solicitou da Inspetoria de Obras e Engenharia do TCE uma Auditoria Especial no processo de Licitação das obras de construção do anexo da Casa Diogo de Braga, no valor de R$ 731.379,40.

O fato é que segundo o Parecer do TCE, Mano Holanda é suspeito de ter facilitado para que a Empresa Carneiro & Bezerra Trasportes, Mecanização e Construções Ltda fosse a vencedora para executar a obra. Tudo começou por que o Edital de Licitação da obra não previu, conforme legislação, a exigência de pelo menos 03 (três) atestados de capacidade técnica para as empresas concorrentes. Motivo, dentre outros, que a Inspetoria recomenda uma auditoria especial e solicita a suspensão do contrato. Este processo no TCE ainda não foi julgado.
As obras na Câmara de Vereadores continuam sendo executadas plenamente pela Construtura e Incorporadora Metropolitana Ltda, também suspeita de apresentar atestados inócuos.

Pondo mais lenha na fogueira, Pedro Queiroz não tem poupado Mano Holanda nas críticas e o alfineta sempre que tem chance. Comentando sobre a Medida Cautelar do TCE ele alertou: “O presidente desta Casa precisa ficar alerta para não ficar inelegível. Basta só uma condenação no Tribunal de Contas, para nós vereadores, sermos implacavelmente atingidos. Vereador não tem tantas regalias como tem outros cargos eletivos”, avisou.

Bastante incisivo com Mano na ‘berlinda’, Geraldo Enfermeiro revelou ao conhecimento da Câmara, a possível auditoria na reforma e ampliação da Casa Diogo de Braga que poderá ser feita pelo TCE.
Ele comparou com a Câmara de Caruaru que também fará seu prédio em uma área nobre e que foi com um valor bem abaixo do que se pretende gastar com as obras da Câmara de Vitória. “Depois dizem que a minha gestão foi escusa”, vaticinou Geraldo lembrando de sua gestão como presidente na legislatura anterior.

Único na defesa de Mano Holanda, o vereador André de Bau (PMN), foi categórico: “Conheço a seriedade de Mano, e sei que ele não embolsou um centavo desta obra. Mano como presidente deixará um legado, que é este prédio que dará orgulho aos vitorienses”, reiteirou. Para adiante dá provas: “Mano é meu amigo, não só agora, enquanto estamos vereador, mas para uma amizade longa daqui pra frente”, salientou André.

Aproveitou para lamentar as acusações de Geraldo contra Mano. Nesse momento, Geraldo vai para o rebate e garantiu que em nenhum momento quis agredir a pessoa Mano Holanda. “Meus questionamentos são os questionamentos do TCE. Estou criticando enquanto sua atitude como presidente. Me desculpe Mano se fiz com V. Excia. o contrário”, procurou justificar.

Fazendo uso da Tribuna, Mano Holanda reagiu. Primeiramente agradeceu a lealdade do seu colega André de Bau e rebateu as críticas feitas por Geraldo Enfermeiro. “Devo lembrar que na minha presidência enviei um ofício ao próprio TCE solicitando que se enviasse um Auditor especial para acompanhar a obra. O mesmo pedido fiz ao Ministério Público”, salientou.

Mostrou-se à vontade para quem quisesse ter acesso a documentação da Licitação da obra da Câmara. “Garanto total transparência. Observe lá os cimentos, tijolos, areia, ferro etc. estão todos lá, sendo usados na obra”, garantiu.

“Gostaria de dizer aos colegas que a única decisão judicial que chegou às minhas mãos esta semana foi o ganho que obtive na justiça no processo que movi contra o jornalista Biracka (Jornal A Verdade), por injúria e difamação que ele fez contra a minha pessoa”, informou.
Para depois deixar claro que Biracka foi condenado judicialmente para indenizá-lo pelas acusações feitas em seu veículo de comunicação.

Muito a vontade Mano avisou: “O meu cabo eleitoral nas eleições de 2012 será o meu Imposto de Renda (IR). O mesmo I.R. quando aqui entrei será o daqui a dois anos”, garantiu.


por Lissandro Nascimento.



SAIBA MAIS: