Ceclin
nov 11, 2016 0 Comentário


Manhã de protestos bloqueiam rodovias em Pernambuco

BR-101 foi uma das rodovias interditadas. Foto: Leo Rodrigo/Twitter

BR-232, altura de Bonança, foi uma das rodovias interditadas. Foto: Leo Rodrigo/Twitter

Chegaram ao fim todos os protestos ocorridos na manhã desta sexta-feira (11/11) na Região Metropolitana do Recife e em pontos espalhados pelo interior de Pernambuco. Ao todo, a manhã contou com 12 interdições em rodovias federais, todas motivadas pelas manifestações. No Recife, um ato na área central deixou o tráfego intenso.

Logo no início da manhã, às 6h30, o fluxo foi interrompido no cruzamento da Avenida Norte com a Cruz Cabugá por uma manifestação de mulheres contrárias a PEC-55, que tramitou na Câmara como PEC-241. Elas usavam faixas e pintaram dizeres contra o Governo Temer na pista.

A manifestação também bloqueou por mais de uma hora os dois sentidos da BR-232, entre Caruaru e São Caetano, no Agreste de Pernambuco. O protesto, formado por integrantes do Movimento dos Trabalhadores Sem-Teto (MTST), faz parte da mobilização nacional de paralisações e greves. Outro protesto foi registrado pela PRF no quilômetro 42 da BR-104, também em Caruaru.

Fluxo foi normalizado

Na BR-101, nas proximidades do Hospital das Clínicas, um ato interditou o fluxo de veículos, perto da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). Por lá, pneus foram queimados e colocados na pista. Por volta das 10h30, a manifestação foi encerrada. Ainda nesta rodovia, no KM 7, em Goiana, e no KM 124, em Escada, o fluxo foi bloqueado, mas no final da manhã a via voltou a fluir com normalidade. Já na BR-232, três protestos foram realizados: um no KM 14, em Jaboatão dos Guararapes,  um no KM 35, em Bonança e outro no KM 53, em Pombos, todos encerrados por volta das 11h30. Uma manifestação também foi realizada no KM 263, em Arcoverde, tendo sido encerrada às 9h20.

Enquanto isso, na BR-408, no KM 34, em Aliança e no KM 80, em Paudalho o tráfego foi fechado desde o início da manhã e só foi normalizado após às 11h30. Outra ocorrência, na BR-104, o tráfego foi fechado no KM 42 em Caruaru e  no KM 86, em Cupira. Além destes, na BR-428, no KM 87, em Santa Maria da Boa Vista, mais uma manifestação interrompeu o trânsito e teve seu fim confirmado por volta das 11h30.

Rodovia BR 101

Manifestantes do MST (Movimento Sem-Terra), estudantes e servidores públicos também realizaram, na manhã desta sexta, um protesto na BR-101, em Palmares, Mata Sul do Estado, contra a aprovação da PEC-55, também conhecida como “PEC dos Gastos Públicos”. Os dois sentidos da rodovia foram interditados. Desde às 08h, os manifestantes fecharam a rodovia somando aos protestos puxados pelas centrais sindicais em um ato que entra no contexto das manifestações realizadas em todo o País nos últimos meses. A manifestação ocorreu de maneira pacífica e foi controlada pela Polícia Militar, que entrou em acordo verbal com os líderes do movimento para a liberação ordeira da rodovia.

Protesto no Centro de Vitória

Universitários de Vitória engrossam os atos da Paralisação Nacional. Foto: Cristiano Bassan

Universitários de Vitória engrossam os atos da Paralisação Nacional. Foto: Cristiano Bassan

Além do fechamento do acesso a Vitória de Santo Antão nesta manhã, também houve um protesto dos estudantes e professores do Centro Acadêmico da UFPE Vitória que estão ocupando há três semanas o prédio, bem como os alunos do IFPE Vitória, os quais decidiram pela adesão à paralisação geral dos servidores públicos em todo o País, além de protestarem contra a PEC do Teto dos Gastos Públicos, a Reforma Previdenciária, a Reforma do Ensino Médio e outras medidas impopulares do Governo Federal. No Centro de Vitória, universitários protestam contra as medidas do Governo Temer, além das condições do transporte universitário, que inclusive ontem não circulou pela falta de abastecimento no combustível, serviço que é oferecido pela Prefeitura de Vitória.

PEC do Teto

A Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 55/2016 fixa por 20 anos um limite para as despesas. Na prática, caso entre em vigor em 2017, o orçamento base para o teto será sempre o valor executado no ano de 2016 acrescido da inflação. O objetivo da proposta, segundo o governo, é frear a trajetória de crescimento dos gastos e tentar equilibrar as contas públicas.