• Ceclin
mai 04, 2009 1 Comentário


Luciano registra os 40 anos do atentado a Cândido Pinto

Lembrando da luta de resistência ao regime militar, o vereador Luciano Siqueira (PCdoB) registrou em pronunciamento na sessão da Câmara do Recife da última terça-feira, os 40 anos do atentado contra o engenheiro Cândido Pinto de Melo, ex-presidente da UEP, União dos Estudantes de Pernambuco.
Cândido, na época militante do PCBR – Partido Comunista Brasileiro Revolucionário e estudante do curso de engenharia da UFPE, ficou paralítico após uma tentativa de sequestro quando tinha apenas 22 anos, tornando-se uma das mais conhecidas vítimas da ditadura no Recife.
Para Luciano Siqueira, “Esse registro se faz oportuno, seja pelo exemplo de Cândido, seja pelo fato de ter sido um entre vários estudantes da minha geração que pagaram com a própria vida, que sofreram violências indescritíveis por quererem, por se levantarem pela liberdade, pelos direitos do povo contra a ditadura militar”.
Leia abaixo o discurso na íntegra:

Senhor Presidente,
Senhoras e senhores vereadores,

Venho à tribuna para fazer um registro. Precisamente em 28 de abril de 1969, em nossa cidade, sofria um bárbaro atentado o presidente da União dos Estudantes de Pernambuco e estudante de Engenharia da UFPE, Cândido Pinto; atentado que o deixou paraplégico e o fez sobreviver até sete anos atrás, quando, vítima de uma embolia pulmonar, depois de se submeter a dezenas de cirurgias, veio a falecer em nossa cidade quando presidente da Emprel, empresa de processamento de dados da Prefeitura do Recife.

Esse registro se faz oportuno, seja pelo exemplo de Cândido, seja pelo fato de ter sido um entre vários estudantes da minha geração que pagaram com a própria vida, que sofreram violências indescritíveis por quererem, por se levantarem pela liberdade, pelos direitos do povo contra a ditadura militar.
Outro dia, uma colega médica contemporânea das lutas estudantis da década de 60 me dizia “somos uma geração marcada”, e somos uma geração marcada pelo sofrimento, pela dor, mas também marcada por exemplos de heroísmo, de resistência, de bravura. Cândido Pinto foi um bravo, foi um herói, porque condenado a sobreviver sobre cadeira de rodas, dirigiu-se posteriormente a São Paulo onde prosseguiu seus estudos, concluiu o curso de engenharia, tornou-se professor universitário, pesquisador da área da engenharia aplicada à medicina e pode cumprir um papel de destaque na sua vida profissional, mantendo sempre fidelidade aos seus ideais e ao seu compromisso com a liberdade e democracia.
Quando comemoramos cá no Recife, em solenidade na Assembléia Legislativa, 25 anos do atentado, Cândido Pinto veio de São Paulo, e homenageado no plenário da Assembléia, após receber 25 rosas entregues por 25 crianças e adolescentes, nossos filhos, seus sobrinhos de luta, Cândido pronunciou um belíssimo discurso intitulado “O Sonho Não Acabou”, em que reafirmava exatamente a sua crença de que, pela força do povo, a liberdade, a democracia e o progresso social haveriam de triunfar em nosso país.
Portanto, faço agora esse registro homenageando Cândido Pinto e celebrando o seu exemplo de resistência e de luta. Muito obrigado.

por Luciano Siqueira – Vereador do Recife pelo PCdoB.

Fonte: http://www.lucianosiqueira.com.br/