• Ceclin
abr 30, 2019 0 Comentário


Luciana Santos assina decreto que cria grupo para analisar a relação das mulheres com o mercado de trabalho em Pernambuco

Documento, assinado nesta terça-feira, no Palácio do Campo das Princesas, visa fortalecer  as políticas públicas voltadas para trabalho e renda para as mulheres. Fotos: Heudes Regis/SEI

Documento, assinado nesta terça-feira, no Palácio do Campo das Princesas, visa fortalecer
as políticas públicas voltadas para trabalho e renda para as mulheres. Fotos: Heudes Regis/SEI

Com o objetivo de fortalecer, direcionar e ampliar as políticas públicas de trabalho e renda para mulheres, a governadora em exercício Luciana Santos (PCdoB) assinou, nesta terça-feira (29.04), no Palácio do Campo das Princesas, um decreto instituindo o Grupo de Trabalho sobre mulheres e o mercado de trabalho em Pernambuco. O GT avaliará as atividades econômicas no Estado e contribuirá para a construção do Pacto pelo Emprego, através do fortalecimento das mulheres no setor produtivo.

“O decreto é um caminho que queremos percorrer para tomarmos decisões na direção de gerarmos mais emprego e renda para as mulheres. O foco no emprego tem a ver com a importância dessa agenda para o Estado de Pernambuco e, nesse contexto, com a luta para que as mulheres se insiram no mercado de trabalho, diante da desigualdade que ainda existe”, afirmou Luciana Santos. Segundo ela, o decreto não será debatido apenas por um grupo fechado. “Queremos fazer um processo de ausculta, pois é sobretudo por meio das mulheres que estão na batalha do dia a dia que poderemos saber por quais caminhos atingiremos os resultados”, acrescentou.

A secretária estadual da Mulher, Silvia Cordeiro, destacou a importância do decreto, destacando o simbolismo de ter sido assinado na véspera do Dia Internacional do Trabalho. “Este não é somente um decreto, é uma convocação para que as mulheres contribuam com o Pacto pelo Emprego em Pernambuco. Somos uma força de trabalho importante e queremos contribuir para a riqueza do nosso País”, disse.

O GT será composto por representantes das secretarias de Desenvolvimento Econômico; Trabalho Emprego e Qualificação; Planejamento e Gestão; Ciência, Tecnologia e Inovação; e Secretaria de Cultura, além da Vice-Governadoria, que coordenará os trabalhos. Representantes de organizações não governamentais, universidades e demais órgãos e entidades da administração pública ou privada poderão participar das atividades, contribuindo com os objetivos do grupo. A meta estabelecida é apresentar um relatório com os resultados do trabalho desenvolvido, contendo análises e propostas no prazo de 180 dias a contar da publicação do decreto. Também participaram da solenidade a deputada estadual Roberta Arraes e o chefe de gabinete do Governo, Milton Coelho.

Luciana Santos se reuniu com representantes do setor audiovisualSetor Audiovisual

Tradicionalmente ligada à área da Cultura, Luciana Santos se reuniu, nesta terça-feira (30), com representantes do setor audiovisual, em sua primeira agenda como governadora em exercício. Na pauta, as preocupações com o impacto que a paralisação no repasse de verbas da Agência Nacional do Cinema (Ancine) terá sobre os produtores locais. Este mês, a Ancine suspendeu a liberação de recursos para a produção de filmes e séries no País, após recomendação do Tribunal de Contas da União, que apontou necessidade de ajustes no sistema de prestação de contas da agência. Com isso, Pernambuco deixará de contar com um repasse do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) de cerca de R$ 15 milhões para o setor.

Participaram da conversa com Luciana, no Palácio do Campo das Princesas, os cineastas Carla Francine, Cynthia Falcão e Cláudio Assis, além do secretário estadual de Cultura, Gilberto Freyre Neto, e da assessora especial do governo, Luciana Azevedo. Os realizadores destacaram que, sem as verbas federais, os investimentos destinados ao audiovisual cairão de cerca de R$ 25 milhões para pouco mais de R$ 9 milhões – volume de recursos que o próprio governo do Estado aplica na área. Caso isso ocorra, eles advertem para a possibilidade de desmonte do audiovisual em Pernambuco. Reconhecendo a importância dessa cadeia produtiva, não apenas para a cultura, mas também para a economia do Estado, Luciana Santos se colocou à disposição para discutir saídas em parceria com os realizadores.