Ceclin
abr 16, 2008 2 Comentários


Leonel diz que pode sair candidato fora do Cara Nova

O Movimento supra-partidário “Vitória de Cara Nova” pode sofrer uma das suas primeiras baixas. O Presidente Municipal do Partido Democrático Trabalhista (PDT), o contabilista Gilvan Leonel, um dos que se colocam pré-candidato a Prefeito da Vitória de Sto. Antão declarou esta semana que sairá candidato a sucessão municipal.
A decisão já foi tomada pelo seu partido em Vitória, o qual deseja fazer vôo próprio. Está, inclusive, determinado em sair sem um possível apoio do Movimento que busca construir uma única candidatura de oposição ao atual governo municipal. “Vou disputar a Prefeitura. Acredito que posso fazer diferente no processo eleitoral”, declarou o pedetista.
Com essa decisão, o PDT corre o risco de sair isolado na disputa, contrapondo uma articulação que está sendo feita pelo Movimento de Reconstrução da Vitória que conta com vinte partidos políticos. Quem pode está também se afastando do processo sucessório em Vitória é o ex-prefeito de Chã Grande, Daniel Alves, presidente municipal do PSL. Conforme este Blog havia noticiado dias atrás, sua família está disputando a Prefeitura de Chã de Alegria, o qual sua esposa é a candidata em aliança com a atual vice-prefeita do PSB que rompeu com o Prefeito atual daquela cidade. Em decorrência desta costura política na vizinha cidade, o partido (PSB) do Dep. Aglaílson Júnior e do ex-prefeito de Vitória, José Aglaílson (PSB), fecharam um acordo para apoiar a candidata de Daniel Alves. Diante do fato, o PSL em Vitória deverá possivelmente se afastar das articulações do Movimento Cara Nova.
O PPS, um dos partidos de oposição em Vitória, liderado pelo advogado Dr. Pedro Queiroz, têm declarado apoio tácito a pré-candidatura do deputado Henrique Queiroz (PR) a prefeitura da Vitória. Dentro desta grande articulação partidária que pensa em construir “TODOS CONTRA UM” o PPS têm declarado sua simpatia pela candidatura do deputado Queiroz. Faltando apenas pouco mais de um mês para acontecer as Convenções Partidárias, marcadas para Junho, o quadro político de quem poderá ser o candidato da oposição que terá mais habilidade em unir todos começa a se tornar um desafio. O momento político começa a fornecer sinais de que passa da fase confusa para a fase de acordos.
por Lissandro Nascimento.