Ceclin
dez 02, 2011 0 Comentário


Jovaldo assume o TJPE em fevereiro

JC Online

Embora não tenha havido unanimidade na votação para presidente, eleição para a nova mesa diretora do Tribunal de Justiça de Pernambuco transcorre sem surpresas

Sem concorrentes e sem surpresas, o desembargador Jovaldo Nunes, atual vice-presidente do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), foi eleito ontem para suceder a José Fernandes de Lemos na presidência do tribunal. A saída de Bartolomeu Bueno, atual corregedor-geral do TJPE, da disputa evitou o bate chapa. Ele teria desistido em nome da “harmonia” no tribunal. Contudo, apesar de concorrer sozinho, Jovaldo não conseguiu unanimidade na votação, recebendo 34 votos dos 39 desembargadores que compõem o Pleno do TJPE.

Na ocasião, também foram escolhidos os demais membros da mesa diretora para o biênio 2012/2013. Os desembargadores Fernando Ferreira e Frederico Neves comandarão a vice-presidência e corregedoria-geral, respectivamente. Ao lado de Jovaldo, eles integraram a única chapa na disputa e fizeram questão de destacar que a identidade do trio beneficiará os trabalhos no tribunal. “Tivemos uma única reunião para decidir a chapa. Isso retrata a nossa identidade política”, comentou o novo vice-presidente. O discurso foi ratificado por Jovaldo. “Qualquer um dos três poderia ser o presidente. Para demonstrar o meu desprendimento, falei para eles decidirem o cargo que disputariam, porque eu ficaria com o que sobrasse”, contou.

Por uma questão de ritual, foram realizadas três votações, uma para eleger cada membro da mesa diretora. Na votação que elegeu Jovaldo, houve um voto branco e os demais integrantes da chapa única conquistaram um voto cada. Os pleitos para vice-presidente e corregedor-geral foram decididos por votações unânimes. Dois desembargadores faltaram à sessão – Antenor Cardoso, em intercâmbio nos Estados Unidos, e o próprio Bartolomeu Bueno, que está participando do Encontro do Colégio dos Corregedores-gerais dos Tribunais de Justiça, em Cuiabá.

Questionado, Jovaldo Nunes negou que tenha ficado mal estar entre ele e Bartolomeu Bueno, contra quem concorreria a presidência. “Tivemos uma conversa série e transparente. Acredito que ele desistiu porque sentiu que a Casa estava tendente a sufragar o meu nome”, contou. Após anunciar a desistência, no último dia 21, Bartolomeu adiantou os seus planos de postular a indicação do TJPE para o Tribunal Regional Eleitoral (TRE-PE), para onde vai o atual presidente José Fernandes de Lemos em março de 2012.

Sobre a condução que dará aos trabalho do TJPE, o novo presidente declarou que pretende dar continuidade ao trabalho que já vem sendo executado pela atual gestão, com o desafio de conceder maior celeridade à Justiça pernambucana. A nova mesa diretora toma posse somente em fevereiro do próximo ano.