• Ceclin
nov 25, 2009 5 Comentários


João Paulo diz que apoia Humberto

Para ex-prefeito, correligionário é o mais provável candidato ao Senado
Valdecarlos Alves do Blog da Folha

O clima de “já ganhou” antecipado desde a segunda-feira pela corrente Construindo um Novo Brasil (CNB) – potencializado pela divulgação, ontem da apuração parcial dos votos do Processo de Eleição Direta (PED) – acirrou os ânimos dos petistas no Estado e provocou uma guerra interna com reflexo direto nas eleições de 2010.
Com a vitória do candidato do secretário estadual de Cidades, Humberto Costa, – o atual presidente do PT em Pernambuco, Jorge Perez -, o ex-prefeito João Paulo admitiu a hegemonia do grupo de Costa e declarou apoio ao seu desafeto para o Senado nas próximas eleições.

João Paulo, agora, argumenta que a participação do Partido dos Trabalhadores na chapa majoritária do governador Eduardo Campos (PSB) será definida pela CNB e não pelo presidente Lula, fato inclusive externado pela corrente de Humberto na Imprensa. “Então tudo indica que será Humberto Costa ou outro nome (para o Senado). O nome que decidirem terá o meu apoio. Não tenho apego a cargo”, adiantou o ex-secretário de Articulação Regional no governo socialista.

O petista nega racha interno na legenda após o processo de eleições internas, realizado no domingo. “É uma disputa acirrada pelo clima democracia que existe no partido. Há questionamentos sobre determinadas práticas que serão apuradas”, disse.

O petista se refere ao episódio denunciado pelo seu candidato, o deputado federal Fernando Ferro, do Campo de Esquerda Unificado (CEU), onde acusa Humberto Costa de usar a pasta para cometer crime eleitoral.

A denúncia é de que um assessor do secretário abastecia irregularmente veículos com eleitores e vista como “irresponsável e infundada” pela CNB. Mesmo com 80% das urnas apuradas em Pernambuco e com Jorge Perez ganhando com uma boa diferença, João Paulo disse que “ainda não há o resultado final da votação, mas, ao que tudo indica, eles deverão ser força majoritária no Estado com uma pequena maioria”, revelou.

Questionado sobre a “lavagem de roupa suja” através da imprensa por parte de Ferro e Perez, o ex-prefeito disse não ver o atual momento por esse ângulo. “O fatos foram apresentados pela imprensa e, repito, nós questionamos determinadas práticas que já vêm ocorrendo no PED desde a eleição passada”. Com uma estimativa em torno de 250 mil votos, caso concorra a uma vaga na Câmara Federal, João Paulo poderá ser um dos principais puxadores de votos. Em entrevista ao Blog da Folha, disse que irá defender a unidade das forças.

“A minha opção é pelo chapão, que reforça as candidaturas para presidente, governador e senador no nosso campo político”.