Ceclin
nov 26, 2013 0 Comentário


Iterpe – Programa de Habitação Rural Beneficia comunidade em Moreno

Agricultores familiares do assentamento Engenho Timbó em Moreno, na Região Metropolitana do Recife, conquistaram mais uma etapa na luta pela cidadania do homem do campo. A Caixa Econômica Federal assinou, na manhã da última segunda-feira, 25 de novembro, contratos do Programa Nacional de Habitação Rural (PNHR) em benefício de 39 assentados que vivem da agricultura familiar. A ação teve interveniência do Instituto de Terras e Reforma Agrária de Pernambuco – Iterpe – instituição vinculada à Secretaria de Agricultura do Estado de Pernambuco – Sara – que orientou os assentados sobre o acesso ao programa.

A solenidade de assinatura dos contratos aconteceu na Associação Comunitária São Severino com as presenças do diretor-presidente do Iterpe, Getúlio Gondim, do prefeito de Moreno, Dilsinho Gomes Filho (PSB), do Regente Regional da Caixa Econômica em Recife, Marcos Borges, além de técnicos do Iterpe e do Instituto Agronômico de Pernambuco – IPA.

“A construção dessas moradias vem para fazer o agricultor cumprir o seu papel de cidadão. Pois só com moradia digna e fornecimento de serviços como água e energia elétrica, essas famílias que vivem da agricultura poderão viver melhor no meio rural”, disse o presidente do Iterpe durante a solenidade.

O PNHR é parte integrante do Programa Minha Casa, Minha Vida e foi criado para atender às necessidades e especificidades de quem vive no campo. O projeto de construção dos imóveis no Engenho Timbó foi desenvolvido por engenheiros e técnicos do Iterpe e é uma iniciativa do Instituto para facilitar o acesso dos agricultores familiares às políticas públicas de habitação. Para o desenvolvimento do projeto, os técnicos do Iterpe fizeram uma avaliação dos assentamentos, levando em conta características sociais, econômicas e demográficas da população.

Através de uma parceria entre o Iterpe, associação dos assentados e a Caixa, a construção dos imóveis tem um custo de R$ 31,9 mil cada unidade, e o agricultor familiar adquire seu imóvel ao custo total de R$ 1.100 (hum mil e cem reais), dividido em quatro parcelas de R$ 275.00 por ano, que devem começar a ser pagas um ano após a entrega do imóvel. As moradias têm 53 metros quadrados, com sala, cozinha, banheiro, dois quartos, área de serviço e terraço e atendem às normas de acessibilidade

Da Assessora de Imprensa Iterpe