Ceclin
out 21, 2020 0 Comentário


Iterpe entrega propostas para aquisição de terras na Mata Sul ao BNB

Propostas do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF) beneficiam 20 famílias do município de Cortês e propõem a aquisição de 128,25 hectares de terra com um investimento de R$ 1,09 milhão

O Instituto de Terras e Reforma Agrária de Pernambuco (Iterpe), órgão vinculado à Secretaria de Desenvolvimento Agrário (SDA), entregou na terça-feira (20/10), vinte propostas de financiamento de terras ao Banco do Nordeste (BNB), que visam beneficiar famílias rurais do Município de Cortês, localizado na Zona da Mata Sul pernambucana. O investimento é da ordem de R$ 1.095.000,00, voltado à aquisição do total de 128,25 hectares de terras localizadas no Engenho Capivara II. As propostas entregues irão beneficiar vinte famílias de agricultores por meio do Programa Nacional de Crédito Fundiário (PNCF).

Do total de investimento, o financiamento  prevê o valor de R$ 82.750,00 de recursos por cada parcela de terra financiada pela linha PNCF Social/SIB, que contempla investimentos produtivos além da compra da terra. “As propostas, entregues pela gestão do PNCF em Pernambuco junto com a FETAPE, instituição parceira do Iterpe, representa ampliação no acesso a terra, bem como o fortalecimento de imóveis rurais voltados à produção de alimentos de base familiar no Estado”, afirmou o presidente do Iterpe, Altair Correia Patriota.

As propostas foram construídas através de um longo processo participativo, que envolveu a integração das famílias rurais desde a etapa de capacitação, até a escolha e negociação da terra. O treinamento sobre o Programa foi realizada em parceria com a FETAPE, etapa considerada fundamental para qualificar a demanda e os agricultores e agricultoras sobre das regras do PNCF. As vinte propostas foram entregues junto com as peças técnicas do imóvel e memorial descritivo, que compõe os serviços de georreferenciamento executados pelo Iterpe.

Sobre o PNCF

O PNCF é uma política pública de acesso à terra criada em 2003 que integra um conjunto de ações que contribuem para a política de Reforma Agrária, porque permite a aquisição de áreas que não podem ser desapropriadas, ampliando a redistribuição de terras no País.