• Ceclin
fev 22, 2017 0 Comentário


Instituto Histórico de Vitória agraciado com Medalha do Bicentenário da Revolução de 1817

O Diário Oficial do Estado, no caderno legislativo, publicou nessa terça-feira (21/02) o Projeto de Resolução N° 1198/2017, de autoria do Deputado Joaquim Lira (PSD), que concede a Medalha Comemorativa do Bicentenário da Revolução Pernambucana de 1817 ao Instituto Histórico e Geográfico da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata.

O parlamentar justificou a comenda citando que a Entidade não é apenas um centro de pesquisa, de documentação, de visitantes oriundos dos mais longínquos rincões, inclusive do exterior, mas também uma chama permanente de estímulo ao conhecimento, de evocação e orgulho dos vitorienses, bem como de turistas. E completou, “Uma instituição séria, comprometida com o passado, sem prescindir de preparar o futuro, através de novas gerações, imbuídas das fecundas lições dos seus mentores e dirigentes, verdadeiros construtores desse oásis de cultura”.

Instituição voltada à preservação e aos valores culturais do município, o Instituto Histórico e Geográfico da Vitória de Santo Antão foi fundado em 19 de novembro de 1950, por iniciativa de um goianense ilustre, o Dr. Djalma Gonçalves Raposo, à época promotor público da Comarca, ao lado de um grupo de entusiastas. Sua existência está associada à própria história do município. O prédio é conhecido como “A Casa do Imperador”, por ter hospedado entre os dias 18 e 20 de dezembro de 1859, a Família Imperial, nas figuras do Imperador D. Pedro II, ao lado da Imperatriz Teresa Cristina Maria de Bourbon. O atual prédio do Instituto Histórico foi construído em 1853 pelo português Joaquim Jorge dos Santos. Serviu durante alguns anos de sede a várias instituições vitorienses, inclusive Paço Imperial e Câmara de Vereadores, residência de senhores de engenho, comerciantes, educandário, posto de saúde e de higiene, sede do Tiro de Guerra e do Sport Clube da Vitória, até o ano de 1950, quando passou a sediar a tradicional instituição até os dias atuais. Em 1985, recebeu da Fundação do Patrimônio Artístico de Pernambuco – Fundarpe, obras de restauração e melhorias para melhor acomodação do acervo da entidade. O local está sempre aberto às atividades cívico culturais da cidade, além de sediar os principais eventos comemorativos no calendário cultural do município, e atualmente é dirigido pelo escritor e professor Pedro Humberto Ferrer de Morais.

A concessão da Medalha Comemorativa atende os requisitos exigidos pela Resolução legislativa n° 1309, de 18 de agosto de 2015.

com informaçoes da Assessoria