Ceclin
fev 22, 2010 1 Comentário


Instalações da UFPE no interior ganham reforço

Publicado em 21.02.2010

Unidades de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e de Caruaru, no Agreste, terão mais salas de aula e laboratório. Até o início do próximo ano, cada uma delas construirá uma Casa de Estudante

Até o fim deste ano, as unidades acadêmicas da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) de Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, e Caruaru, no Agreste, terão novas instalações. Com o ingresso dos estudantes aprovados no último vestibular, as duas unidades somarão aproximadamente quatro mil universitários. Implantados em 2006, os centros começam a formar mão de obra para atender a demanda de profissionais no interior do Estado.

“A previsão é que a segunda etapa da expansão do centro termine em junho. Serão mais quatro laboratórios e seis salas de aula. O investimento foi de aproximadamente R$ 900 mil”, explica a diretora de Vitória de Santo Antão, Florisbela Campos. Há duas semanas, a prefeitura doou um terreno de 12 hectares, às margens da BR-232, onde será construído mais um prédio. Verba de R$ 1,7 milhão do governo federal está assegurada para custeá-lo.

Atualmente, o câmpus conta com três blocos de salas de aulas e 22 laboratórios. São quatro cursos de graduação. As três primeiras turmas de ciências biológicas, nutrição e enfermagem serão concluídas este semestre. Segundo Florisbela Campos, licitação no valor de R$ 1,3 milhão foi concluída para readequação do atual prédio. Outra novidade será a Casa do Estudante, com capacidade para 80 alunos (40 rapazes e 40 moças). “Esperamos começar a construção no segundo semestre”, diz a diretora.

Em Caruaru, a expectativa é que em outubro sejam inauguradas 16 salas de aula, quatro laboratórios para o curso de design, um auditório e 16 salas para docentes (cada uma é ocupada por dois professores). Hoje, a unidade acadêmica mantém 10 cursos. São 32 salas de aula e cinco laboratórios, além de cantina, biblioteca, área administrativa e 39 salas de professores.

O diretor do centro, Mariano Aragão, informa que a terceira etapa de ampliação está em fase de licitação. Com R$ 9 milhões, serão construídos novos blocos de salas de aulas para atender, sobretudo, à pós-graduação, e laboratórios para os cursos de administração, economia e licenciaturas. O primeiro curso de pós-graduação – o mestrado em engenharia civil e ambiental – está com inscrições abertas (10 vagas). Para este ano, o centro vai apresentar projeto na Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoa de Nível Superior (Capes) para mestrados em educação e economia.

Assim como em Vitória, Caruaru ganhará Casa do Estudante, com a mesma capacidade (80 vagas). O terreno está pronto. “Esperamos que no ano letivo de 2011 tudo esteja funcionando”, observa Mariano.

MEDICINA

Para o próximo ano, planeja-se oferecer o curso de medicina. “Uma pessoa do Ministério da Educação virá a Caruaru, até março, para conhecer o Hospital Regional, pois pretendemos transformá-lo em hospital-escola. Queremos abrir o curso já no próximo vestibular. Por enquanto, estamos negociando com o MEC”, explica Mariano.

Levantamento da unidade de Caruaru, que atende 90 cidades, indicou que 70% dos estudantes são do interior. “O Agreste é a região da maioria dos alunos, mas também temos estudantes de outras cidades. Os outros 30% são jovens do Grande Recife”, informa Mariano. Em Vitória, a maior parte dos alunos vem da Zona da Mata. “Temos gente de vários municípios. Também de Bezerros e Caruaru, no Agreste, e do Recife”, afirma Florisbela Campos.

INTERIORIZAÇÃO

O reitor da UFPE, Amaro Lins, destaca a importância da instalação de unidades acadêmicas no interior do Estado. “A formatura da primeira turma representa o resgate do compromisso histórico da UFPE com a população do interior. O processo de interiorização está consolidado e exerce um impacto grande não apenas no aspecto cultural, mas também na economia dos municípios atendidos”, diz Amaro Lins, ressaltando que a tendência é que Caruaru se fortaleça como polo de educação superior.(Jornal do Commercio).


MATÉRIAS VINCULADAS
Mão de obra é incrementada