Ceclin
ago 11, 2009 3 Comentários


Igualdade de gênero e transformação social

por Isaltino Nascimento

A Organização Não-Governamental Leões do Norte em parceria com a Pact Brasil, organização internacional com atuação em 18 países, começa a realizar a partir do próximo dia 20 um trabalho de testagem voluntária de HIV e aconselhamento de pessoas infectadas. A ação, que ocorre com apoio dos programas de DST Aids do Estado e do Recife, GPT + (Cabo) e Amotrans (Jaboatão) e Ministério da Saúde, pretende tirar da invisibilidade pessoas infectadas pela doença.

A iniciativa merece aplausos, visto que segundo as entidades que trabalham no atendimento a gays, travestis e HSH (homens que se relacionam com outros homens, mas não se assumem), é grande o número de infectados que desconhece estar contaminado pelo vírus da Aids. O que acaba sendo descoberto apenas quando a doença chega a estágio avançado, dificultando as chances de recuperação e, muitas vezes, resultando em óbito.

As organizações envolvidas neste trabalho almejam melhorar a qualidade de vida de quem se encontra nesta situação, encaminhando-os para realização de outros exames e tratamento. Além disso, oferecer aconselhamento a este público, normalmente marginalizado pela sociedade.


Batizado de “Quero fazer”, o programa de testagem voluntária será realizado simultaneamente no Rio de Janeiro, onde funciona a sede brasileira da Pact Brasil, e no Recife. Na capital pernambucana atenderá na sede dos Leões do Norte, na Rua do Riachuelo, na Boa Vista, e contará com um trailer móvel que se deslocará pela Região Metropolitana do Recife. A expectativa é que sejam realizados cerca de 40 atendimentos a cada dia, no horário de 8h às 17h.


Ao chamar a atenção para este trabalho pretende-se frisar que a igualdade de gênero e o respeito à diversidade são fundamentais para a transformação social, o que pressupõe a valorização e o respeito ao ser humano e seus direitos. E ressaltar que fechar os olhos, torcer o nariz ou ignorar estas pessoas não contribui para o desenvolvimento social e para a redução das vulnerabilidades da população.


Ações desta natureza merecem ser replicadas e conquistar a adesão de novos parceiros. Pois fortalecem a sociedade civil organizada e fomentam o estabelecimento de redes de interação que ajudam aqueles que precisam de uma mão amiga e olhar desprovido de preconceito.





por Isaltino Nascimento,
deputado estadual e líder do governo na Assembleia Legislativa, escreve para o Blog todas às terças-feiras.