Ceclin
Maio 07, 2021 0 Comentário


Henrique Queiroz Filho rebate críticas ao agronegócio brasileiro

USINAS – “Ressalto, especialmente, a relevância do setor sucroalcooleiro em Pernambuco”, afirmou Henrique Queiroz Filho. Foto: Evane Manço/Divulgação

Na Reunião Plenária da quinta-feira (06.05), os deputados Antônio Moraes (PP) e Henrique Queiroz Filho (PL) saíram em defesa do agronegócio brasileiro. O setor foi alvo de críticas do deputado João Paulo (PCdoB) na semana passada. Em resposta, os dois parlamentares destacaram a importância desse segmento produtivo no atual cenário econômico.

“É o único setor da economia brasileira que tem gerado emprego e renda durante a pandemia”, pontuou Moraes. O deputado divergiu do colega comunista, afirmando que ele estaria “desinformado”. “Quero prestar minha solidariedade aos que atuam no ramo. O Brasil sobressai como produtor de alimentos e se tornou fornecedor da maior parte das grandes nações do Mundo”, frisou. Para o parlamentar do PP, o País é um exemplo no segmento, sem o qual a crise seria ainda mais profunda.

Moraes salientou, também, que o agronegócio e a agricultura familiar trabalham conjuntamente. “Eles são integrados. Não há oposição. É necessário conhecer antes de criticar”, avisou. E citou, como exemplo, a produção de álcool combustível: “É um caso de êxito da economia agrícola de Pernambuco. Além de ser eficiente, o produto não agride o meio ambiente”, enfatizou.

“Ressalto, especialmente, a relevância do setor sucroalcooleiro do Estado neste momento”, disse, por sua vez, Henrique Queiroz Filho. “O ramo produtivo rural assumiu protagonismo no debate econômico e no planejamento estratégico do País nas últimas décadas, sendo responsável por um constante aumento na geração de empregos e renda em todo o Brasil”, continuou.

Henrique Filho falou, ainda, da importância da indústria da cana durante a pandemia. “Gera emprego e renda para muitos trabalhadores, está na vanguarda ambiental por fornecer energia sustentável e ajudou no fornecimento de álcool 70%.” “Porém, mesmo promovendo tantos benefícios sociais, econômicos e ambientais, sofre críticas de outros setores do Estado”, lamentou.