Ceclin
jan 19, 2009 0 Comentário


Hemodiálise pode causar carência de vitamina D

Publicado em 18.01.2009


CURITIBA – Uma pesquisa da Pontifícia Universidade Católica do Paraná (PUC-PR) detectou que em pacientes com insuficiência renal submetidos a hemodiálise a deficiência de vitamina D parece ser bastante comum. Entre eles, o nível de alterações cardíacas é duas vezes superior aos que não apresentam o déficit vitamínico. “O aparelho de hemodiálise faz a purificação do sangue, mas não executa algumas das funções do rim, uma delas é a síntese da vitamina D”, diz Sérgio Bucharles, autor da pesquisa, que foi sua dissertação de mestrado.

Ele pretende no doutorado repor a vitamina D e estudar o impacto no sistema cardíaco. Segundo ele, se os pacientes que chegam ao Instituto do Rim da Santa Casa de Curitiba, onde realizou a pesquisa, têm alteração cardíaca prévia, o normal é um agravamento. “Se não tinha problema, o que é pouco frequente, a chance de desenvolvê-lo é grande”, salientou. “Se conseguirmos brecar antes, a pessoa pode ter mais chances de ser submetida a um transplante.”
Encontrada particularmente em peixes com alto teor de gordura, ovos, leites e alimentos enriquecidos artificialmente, a vitamina D é altamente ativada pela luz solar. No organismo, ela sofre uma primeira hidroxilação no fígado, transformando-se em 25 hidroxivitamina D, seu principal elemento metabólico. Nos rins, esse elemento se transforma em 1,25 hidroxi, a vitamina D ativada.

De 61 pacientes analisados, 45 (74%) apresentaram a deficiência ou ausência na produção do primeiro e do segundo elemento e sua consequência no funcionamento do coração. Desses, alguns foram submetidos ao transplante e outros faleceram. Da segunda etapa, que consiste em um suplemento reforçado da vitamina, participam 35 pacientes.
(Jornal do Commercio).