Ceclin
jun 22, 2016 0 Comentário


Grávidas de Moreno precisam ir a Vitória para terem atendimento

Imagem-023

Moreno, na Região Metropolitana do Recife, ninguém nasce na maternidade do Município. As grávidas têm que ir para outra cidade fazer o parto. Wandja, grávida de seis meses, preocupada por saber que precisa se locomover do município para outro quando for o momento de dar a luz indicou: “Estou indo para o Hospital João Murilo de Oliveira que é em Vitória, porquê em Moreno não tem atendimento”.

Melissa, uma outra mãe, disse que passou pelo mesmo sufoco de ter que ir para Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata, pois foi lá que nasceu o seu filho João, que está com onze meses. “Saí com dores daqui pra Vitória de madrugada e ainda chovendo… foi muito difícil”. O fato é que não há maternidade em Moreno. O Hospital Arlindo Moura, que antes funcionava como maternidade, desde 2012, de acordo com a Prefeitura, deixou de atender as mulheres grávidas. Em 2011 o Hospital foi fechado para reforma e no ano seguinte, 2012, passou a ter atendimento apenas por ortopedistas.

Existe uma policlínica no bairro Nossa Senhora de Fátima que atende só por clínicos gerais. No Centro de Moreno havia uma outra clinica, uma instituição sem fins lucrativos que atendia às mulheres grávidas, mas a clínica fechou em 2011. Atualmente há apenas abandono e sinais de vandalismo por todo entorno do prédio. O secretário executivo municipal de Saúde afirmou que a cidade nunca teve condições financeiras de manter uma maternidade própria. “É inviável ter um serviço de maternidade nos municípios de pequeno porte devido ao alto custo. Mal conseguimos sustentar a atenção básica, ao que compete o município, imagine uma maternidade, pois os custos são muito altos”, sentenciou.

A assessoria da Secretaria Estadual de Saúde informou que é de responsabilidade dos municípios garantir os partos considerados de baixo risco, mas levando em conta a falta de dinheiro e algumas dificuldades para contratar médicos, o órgão criou um comitê com o apoio do Ministério Público para encontrar uma solução para este impasse. A orientação da Secretaria de Saúde para as grávidas que moram nas cidades onde não exista maternidade, é procurar uma emergência mais próxima e em seguida terão que ser encaminhadas para terem seus bebês em outra localidade.

TV Globo