• Ceclin
ago 11, 2008 1 Comentário


Governo retoma construção do gasoduto Recife-Caruaru

Visando atrair novas empresas para o interior do Estado, sobretudo para a Mata Norte e para o Agreste, dentro da política de interiorização do desenvolvimento, o governador Eduardo Campos assinou, nesta segunda-feira (11), em Vitória de Santo Antão, a ordem de serviço para conclusão do gasoduto Recife-Caruaru, que estava parado há dois anos.

Com 120 Km de extensão e uma capacidade média para transportar até 1 milhão de metros cúbicos/dia de gás natural, o gasoduto beneficiará os municípios de Moreno, Pombos, Vitória, Sairé, Chã Grande, Gravatá, Bezerros e Caruaru. A obra será executada em três etapas: Recife/Vitória, que será entregue em dezembro próximo, Vitória/Gravatá, prevista para fevereiro de 2009, e Gravatá /Caruaru, com previsão de conclusão em maio do próximo ano.

O governador classificou a obra como fundamental para o desenvolvimento do Estado. “O mundo vive hoje um grande desafio que é a busca de novas alternativas energéticas o que dá ainda mais importância para o Gasoduto. Estamos realizando um esforço grande para melhorar a malha de distribuição de gás no Estado, o que facilita a atração de novas empresas além de ajudar os segmentos industrial, automotivo, comercial e residencial na região”, explicou Eduardo Campos. “Este gasoduto é uma avenida de possibilidades e trará muita capacidade competitiva para Pernambuco. Um grande exemplo disso é a nossa luta para trazer a primeira fábrica de vidros planos para o Estado. Com o gasoduto Recife/Caruaru teremos condições de vencer a disputa com a Bahia e o Rio Grande do Norte”, afirmou o secretário de Desenvolvimento Econômico, Fernando Bezerra Coelho.

HISTÓRICO – O gasoduto Recife-Caruaru teve seu primeiro edital de licitação lançado em abril de 2004. A empresa vencedora, a GDK, começou as obras em janeiro de 2005 e não terminou no prazo estipulado de dois anos. A construção do gasoduto será retomada pela empresa alagoana Tecmaster, vencedora da nova licitação, com um custo de R$ 22,8 milhões.
Aldo Guedes, presidente da Companhia Pernambucana de Gás (Copergas), considera esta a obra mais importante da Companhia. “Além de dialogar com uma das principais diretrizes do governo Eduardo Campos, a interiorização do desenvolvimento, esta obra mostra a seriedade com que a atual gestão trata as questões mais importantes para os pernambucanos. Estamos dando continuidade à uma ação iniciada no governo anterior”, lembrou Aldo. Eduardo Campos ressalta o bom ambiente criado no Estado para a chegada de mais indústrias. “Estamos provando que somos parceiros, resolvemos os problemas e cumprimos prazos, e isso se espalha rápido. Trazer a primeira empresa é mais difícil. As outras vêm com mais facilidade. Fazer o dever de casa aliado à vontade do nosso povo e à qualidade da nossa mão de obra, está fazendo a economia de Pernambuco crescer acima do Nordeste e acima do Brasil, como comprovaram os números do IBGE do primeiro semestre de 2008”, finalizou Eduardo Campos (PSB).