Ceclin
out 19, 2020 0 Comentário


Governo Bolsonaro acabou com a corrupção?

Parece piada, mas dias depois de o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) dizer que acabou a Operação Lava Jato porque na sua gestão não há corrupção, a Polícia Federal apreendeu, na semana passada, dinheiro vivo dentro da cueca do vice-líder do governo no Senado, o bolsonarista Chico Rodrigues (DEM-RR).

E as coincidências não param por aí. Um dos comissionados do gabinete do senador Chico Rodrigues é Leonardo Rodrigues de Jesus, primo de três, dos quatro filhos do presidente Bolsonaro. Leo Índio, como é conhecido, tem um salário de R$ 14.802,41 no gabinete do senador e está envolvido no caso da “rachadinha” no gabinete de Flávio, do qual também foi assessor.

Enquanto tenta sufocar as investigações de corrupção do seu governo, Bolsonaro quer a todo custo aprovar uma reforma administrativa (PEC 32/20). Quer acabar com políticas públicas, que atendem principalmente a parcela da população mais carente. Quer destruir também o Regime Jurídico Único (RJU), a estabilidade e os concursos públicos. “Se o governo Bolsonaro aprovar essa reforma administrativa, com servidor sem estabilidade e a mercê do gestor, sem entrar por concurso público, mas sim por indicação política, aí sim teremos um serviço público com sérios problemas e vulnerável à corrupção. Por isso precisamos urgente barrar essa PEC 32/20”, alerta o coordenador geral do Sindsep-PE, José Carlos de Oliveira.

Sindicato dos Servidores Públicos Federais de Pernambuco
SINDSEP-PE