Ceclin
mar 22, 2010 0 Comentário


Gati reforça ações da PM no Sertão

Roseanne Albuquerque

Ações de choque, táticas de sobrevivência e instruções que orientam a atuação correta em situações de risco como sequestros, assaltos a bancos, dentre outras, fazem parte do treinamento dos militares do Grupo de Ações Táticas Itinerante (Gati). No Sertão do Estado, esse braço da Polícia Militar tem feito a diferença no combate à criminalidade. Espalhado por diversas unidades militares – entre elas Petrolina, Santa Maria da Boa Vista, Cabrobó, Salgueiro, Ouricuri – o Gati tem apresentado resultados práticos, mostrando que a especialização de equipes dentro da PM é um caminho sem volta.

Das ocorrências registradas em 2009 no 5º BPM, em Petrolina, o Gati foi responsável pela apreensão de 42 armas de fogo, 94 munições, 25 quilos de maconha, 48 pedras de crack e mais de dois quilos de cocaína. Ao todo, são 20 homens atuando especificamente nesse grupo. “O Gati é da PM e não um grupo à parte, como algumas pessoas pensam. Serve para dar apoio aos demais policiais militares que trabalham no dia a dia, é mais uma especialização de recobrimento de área.
Essa tendência de especialização é um indicativo de que o serviço policial fica melhor, as respostas com relação às ocorrências ficam mais rápidas”, explica o comandante do Gati em Petrolina, capitão Ivanildo Moura. “Esse ano ainda devemos ter instruções de capacitação para que outros policiais possam ingressar. Também queremos aumentar o número de viaturas para que possamos ter uma área de atuação ampliada”.

Na área da 7ª Companhia Independente da PM, que cobre Santa Maria da Boa Vista e Lagoa Grande, o Gati foi implantado há um ano e meio. Os resultados, segundo a corporação, têm sido animadores, sobretudo quando a atuação é voltada para as áreas irrigadas do Projeto Fulgêncio, em Santa Maria da Boa Vista.
“É uma área extensa, são 47 agrovilas, alguns lotes de difícil acesso. Mas temos desenvolvido ações sistemáticas no local, dando cumprimento a mandados de busca e apreensão, levando mais segurança a moradores do projeto”, frisa o tenente Manuel Santana. “Nesta região do Estado um dos grandes desafios é chegar até pessoas que são foragidas da Justiça. Há também de se destacar a apreensão de cocaína e crack”, diz.

A atuação nos projetos de irrigação tem sido uma preocupação constante para o 5º BPM de Petrolina. De acordo com o comandante do Gati no município, capitão Ivanildo Moura, uma das metas de 2010 é intensificar as ações nos núcleos dos projetos Senador Nilo Coelho, Maria Tereza e Bebedouro. “O 5º BPM já tem direcionado operações e rondas ostensivas para esta área”, revela.

Para o capitão Ivanildo, o trabalho do Gati tem tido resultados positivos porque, além das técnicas policiais e ações sistemáticas implantadas no dia a dia, a população tem contribuído muito. “Vamos a reuniões de bairros, recebemos ligações e informações através do site do 5º BPM. Quando o cidadão passa uma informação, otimiza o trabalho da gente”.

Para integrar o Gati, o militar deve ter serviços prestados à corporação e boa conduta. O Curso Intensivo de Ações Táticas dura 15 dias, quando são repassadas as técnicas especializadas.
Os militares do Gati recebem toda orientação e preparo para que não ultrapassem os limites nas abordagens. “ O Gati segue os padrões da PM. Não permitimos qualquer ação equivocada. Não aliviamos para o policial que erra e passa dos limites. As queixas e denúncias que existem sobre abordagens, são apuradas e, uma vez constatado o fato, os responsáveis são punidos com rigor”, destaca o capitão Ivanildo.