Ceclin
Maio 19, 2010 3 Comentários


Futuro da educação foi destaque no A VOZ DA VITÓRIA

Aconteceu entre os dias 28 de março a 1º de abril, em Brasília DF, a Conferência Nacional de Educação (CONAE), que já vinha de um longo período de etapas preparatórias desde o ano de 2008, com as conferências livres, municipais, intermunicipais e as estaduais.

Para esclarecer a população sobre as propostas que foram discutidas quanto ao Plano Nacional de Educação e o que foi definido na Conferência Nacional de Educação, o Programa A VOZ DA VITÓRIA transmitido pela Rádio Tabocas FM (98,5) convidou o professor e diretor do Colégio Estadual Dias Cardoso, Severino Adroaldo (Dodó Carvalho), a psicóloga Daniela Torres – responsável pelo setor de Orientação Educacional do IFPE Campus Vitória, e do vice presidente regional da UEP, Gilberto Claudino Júnior, que foram, dentre outros, os representantes de Vitória de Santo Antão nesta CONAE.

O apresentador Lissandro Nascimento provocando os pontos mais polêmicos aprovados, perguntou aos entrevistados qual foi a impressão de cada um nessa Conferência, bem como, o que aconteceu de importante em Brasília, quais foram os pontos que mais chamaram a atenção e os avanços obtidos nesta Conferência.

Para Gilberto Júnior, a Conferência foi importante porque neste espaço foram conquistados várias bandeiras de lutas que os movimentos do setor educacional vinham encampando há muito tempo, e nessa, foram debatidas e aprovadas para fazer parte do Plano Nacional de Educação e do Sistema Nacional de Educação, como por exemplo, a eleição direta para os diretores das escolas públicas.

Para a psicóloga Daniela Torres, o Plano de Desenvolvimento da Educação e o Sistema Articulado Nacional de Educação triunfaram nesta Conferência como um dos importantes instrumentos para a soberania da nação brasileira. Essa Conferência culminou lançando diretrizes e metas para a educação em todo o País por um longo caminho, fornecendo diretrizes ao Sistema Nacional de Educação com definições do papel nas esferas municipais, estaduais e nacional em relação ao setor.
“A Conferência de Educação definiu que papel os municípios, Estados e a União cumprem na educação. Cuidou da centralização de verbas para o ensino e definiu as regras e maneiras de fiscalização do ensino particular”, pontuou.

O Professor Dodó Carvalho ressaltou a grande participação das entidades tanto de movimentos estudantis como dos movimentos sociais.

“Houve participação de entidades afro descendentes, de integração sexual como o movimento LGBT e movimentos estudantis. Foram mais de 56 entidades que deram base para o texto final desta Conferencia. Houve também um importante debate sobre as cotas sociais, pois havia algumas entidades contra as cotas, por achá-las discriminatórias, mas conseguimos aprovar as cotas raciais para acesso à universidade pública”, ressaltou o professor da rede estadual de ensino.

Outro fato importante ressaltado por Dodó foi o fato de está sendo encerrado o Plano Decenal de Educação. É o documento que foi elaborado nessa Conferência pelo qual irá fornecer as diretrizes para os próximos 10 anos. “Então tivemos a honra de elaborar esse documento baseado nos debates sobre educação nas Conferências pelo Brasil inteiro. Pela primeira vez na história mais de três milhões de brasileiros debateram sobre a educação”, salientou Dodó Carvalho.

Segundo os entrevistados, houve um grande avanço devido à aprovação das cotas raciais e sociais para acesso a universidade pública, outro ponto levantado além das cotas foi a educação para as comunidades quilombolas e indígenas que tem uma especificidade diferenciada exigindo livros didáticos específicos e calendário próprio por ter suas próprias festividades e tradições.

Houve também um grande avanço na aplicação do Piso Salarial dos Professores, surgindo o compromisso de criar uma mesa de negociação para a discussão do Piso Salarial em todo o País no sentido de que nos próximos anos esse Piso possa dobrar, oferecendo assim melhores condições de vida e de trabalho, ressaltando que esta categoria é uma das mais importantes profissões.

“Nesta CONAE o movimento educacional saiu vitorioso, no sentido de que o Plano Nacional de Educação é um sistema articulado nacionalmente para o setor. Foram aprovados com propostas de grande interesse para a sociedade e interesse destes movimentos. A exemplo da aprovação de 50% da reserva de vagas nas universidades públicas para os estudantes oriundos das escolas públicas, 7% do PIB para educação até 2011 e de 10% até 2014; 50% do Fundo Social do pré Sal para Educação, bandeira essa lançada pela UNE, UBES e ANPG, bem como entidades representativas dos estudantes brasileiros que vem com tudo no sentido de lutar pela garantia destes investimentos”, destacou Gilberto Júnior.

Apresentação: Lissandro Nascimento.
Produção: Jáder Siqueira, Orlando Leite e Cláudio Gomes.
Equipe: Emerson Lima, Berg Araújo, Genilda Alves.