Ceclin
nov 22, 2017 0 Comentário


FUNASA realiza capacitação para melhorar a qualidade da água de cisternas em Gravatá

Em uma roda de conversa, técnicos, agentes de saúde, líderes comunitários, gestores e professores debateram sobre um plano de ação. Fotos: Anderson Souza / SECOM

Em uma roda de conversa, técnicos, agentes de saúde, líderes comunitários, gestores e professores debateram sobre um plano de ação. Fotos: Anderson Souza / SECOM

Captar água da chuva e fazer o uso correto e saudável foram alguns dos pontos debatidos na capacitação promovida pela FUNASA (Fundação Nacional de Saúde) em parceria com a Prefeitura de Gravatá, no Agreste.

Nos anos de 2013 e 2014 o Município foi contemplado com 202 cisternas em regiões da Zona Rural e está sendo realizado um trabalho de conscientização para educar a população e ensinar métodos que reduzam o desperdício e façam o tratamento adequado para a utilização no consumo domiciliar.

“Muitas doenças podem ser evitadas se a população consumir água de qualidade. A educação tem um papel fundamental nesse quesito porque a prevenção é o melhor tratamento, temos que cuidar do nosso povo e proporcionar orientação sobre como fazer o uso correto do hipoclorito e de outros métodos de tratamento”, afirmou Rodrigo Leal, assessor da Vigilância Ambiental de Gravatá. As Secretarias de Saúde, Educação, Assistência Social, Infraestrutura e Meio Ambiente estão trabalhando de forma unificada.

Em uma roda de conversa, técnicos, agentes de saúde, líderes comunitários, gestores e professores debateram sobre um plano de ação para multiplicar o conhecimento adquirido, e levar para toda população informações que são de suma importância para uma melhor qualidade de vida. “Conseguimos repactuar esse projeto com Gravatá e sentimos que dessa vez há um grande interesse da nova gestão em fazer acontecer”, disse a Educadora em Saúde Ambiental da FUNASA, Lúcia Baracho, que completou destacando a importância da participação social para se obter bons resultados. “Educação e Saúde precisam ser trabalhados em parceria entre as gestões públicas (governo federal, estadual e municipal) e a própria população. É preciso que todos façam a sua parte para que haja uma real mudança e os resultados sejam satisfatórios”.