• Ceclin
ago 28, 2009 0 Comentário


Formação de professores e médicos pode ser bancada

MINISTRO Haddad explicou que os interessados não pagarão para estudar

BRASÍLIA (ABr) – Para impulsionar a formação de professor e de médicos e estimular que jovens talentos ingressem em ambas as carreiras, o governo estabeleceu uma série de medidas que vão custear a formação desses profissionais. “Quem quiser ser professor não vai pagar a sua formação”, disse o ministro da Educação, Fernando Haddad, em entrevista a emissoras de rádio durante o programa Bom Dia, Ministro, no estúdio da Empresa Brasil de Comunicação (EBC).
Segundo Haddad, o jovem interessado pode procurar o curso de uma universidade pública ou de uma instituição particular com financiamento. Projeto de lei enviado pelo Ministério da Educação ao Congresso Nacional prevê que estudantes de pedagogia possam pagar com trabalho o empréstimo obtido por meio do Programa de Financiamento Estudantil (Fies).
“Se ele (o professor) for atuar em escola pública não terá que retornar ao fundo o que recebeu para pagar sua mensalidade. Se o jovem tiver boa nota no Enem (Exame Nacional do Ensino Médio) e quiser trabalhar na rede pública, não terá que pagar por isso”, explicou. A ideia é que o estudante possa financiar 100% dos custos com atividade profissional. Para cada mês de trabalho, 1% da dívida consolidada será abatido.
A medida também será estendida aos estudantes de medicina. Após a formatura, o profissional terá que trabalhar no Programa Saúde da Família (PSF) em regiões onde há carência de médicos.
ENEM
A logística para aplicação do novo Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) custará ao Ministério da Educação (MEC) R$ 100 milhões. Foi o que informou ontem o ministro Fernando Haddad. Perguntado sobre a possibilidade de adiamento do Enem em função do atraso no início das aulas para evitar a contaminação de alunos pelo vírus Influenza A H1N1, Haddad disse que a definição de uma nova data não é possível devido à logística de aplicação das provas.
“São milhares de salas de aplicação de provas pelo País, o Enem será realizado em quase 2 mil municípios. Na verdade nós já adiamos o Enem em cinco semanas porque nos anos anteriores ele era feito em agosto. Em 2009 nós adiamos para outubro em função das especifidades da nova prova”.
A partir de 2009 o Enem servirá como forma de ingresso em pelo menos 40 das 55 universidades federais. Cerca de 4,5 milhões de estudantes se inscreveram para participar da prova. Segundo o ministro, a proposta feita aos reitores das instituições públicas é de que até 2011 o Enem substitua totalmente o vestibular tradicional.
(Folha de Pernambuco).