Ceclin
Maio 09, 2016 0 Comentário


Falta do uso do cinto de segurança é a 6ª infração mais cometida pelos pernambucanos

14618675808530

Assim como a cor amarela, que simboliza atenção em sinais de trânsito, o “Maio Amarelo” tem por objetivo chamar a atenção da população para alto índice de mortes e feridos no trânsito em todo o mundo. Dentre tantos cuidados necessários para evitar acidentes, está a utilização de um item importante: o cinto de segurança. De acordo com o Código de Trânsito Brasileiro (CTB), no Art. 65, é obrigatório o uso do cinto de segurança para condutor e passageiros em todas as vias do território nacional, salvo em situações regulamentadas pelo Conselho Nacional de Trânsito (Contran). Os cintos são equipamentos obrigatórios em todos os veículos, com algumas exceções. Uma delas são os que fazem transporte de passageiros em percussos em que seja permitido viajar em pé, como é o caso dos ônibus metropolitanos.

Embora motoristas e passageiros saibam a importância de utilizar o item, o número real de quem faz a utilização ainda é preocupante. Mais da metade dos brasileiros, segundo pesquisa do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), em 2013, não usam o cinto na parte de trás dos carros. Já no banco dianteiro dos veículos, cerca de 80% dos motoristas/passageiros usam o cinto. A infração de número 5185 –  em que o condutor ou passageiro deixam de usar o cinto de segurança – é considerada grave. Segundo o artigo 167 do CTB, o motorista pode receber cinco pontos na carteira, tem que pagar uma multa no valor de R$ 127,69 e o carro corre o risco de ficar retido.

Em Pernambuco, no ano de 2015, foram registrados 3.742 casos de acidentes de transporte terrestre – automóveis, veículos pesados, ônibus/similar, ambulância e SAMU – nas 21 Unidades Sentinelas de Informação sobre Acidentes de Transporte Terrestre (Usiatt), segundo a Secretaria de Saúde de Pernambuco (SES). Deste número, 27,6% (1.031) dos acidentados informaram não usar o cinto de segurança, 38% não informaram se utilizavam o item e 34,4% garantiram estar usando o cinto no momento do acidente.

Jornal do Commercio