• Ceclin
mai 07, 2019 0 Comentário


Fábrica da Jeep em Goiana sem atividade até 15 de maio

Jeep de Goiana

O agravamento da crise argentina, que reduziu o poder de compra dos hermanos, tem impactado a indústria automotiva brasileira. Afinal, é para a Argentina que vai grande parte dos carros brasileiros produzidos para exportação.

De acordo com a Associação Nacional dos Fabricantes de Veículos Automotores (Anfavea), a Argentina é o principal parceiro comercial do Brasil. Por isso, o volume de exportações das montadoras brasileiras caiu 42% no primeiro trimestre deste ano, passando de 180,2 mil em 2018 para 104,6 mil veículos em 2019. E essa queda já vem sendo sentida pela indústria pernambucana.

De acordo com a Federação das Indústrias de Pernambuco (Fiepe), se comparado o primeiro trimestre do ano passado com o mesmo período deste ano, o Estado exportou 62% a menos de veículos em 2019. Só a Fábrica da Jeep de Goiana, no Grande Recife, teve queda de 83% em relação ao período de janeiro a abril do ano passado, quando foram exportados 9,5 mil modelos Jeep, com a Argentina sendo o principal receptor desses produtos.

A montadora, por sinal, parou suas atividades ontem em Goiana. A Jeep informou, porém, que a parada não está relacionada ao cenário externo. “A interrupção é parte do calendário da empresa, para a realização de manutenção preventiva na planta”, alegou a Jeep, que ficará parada até 15 de maio. “As atividades serão retomadas normalmente na terça-feira (16) nos três turnos de produção”, afirmou a montadora, que chamou a paralisação de “parada técnica programada” e que, no fim do ano passado, já havia interrompido a produção por três dias por conta da crise argentina.

Assessor da presidência da Fiepe, Maurício Laranjeira afirma, porém, que a piora no mercado argentino impacta diretamente a produção pernambucana. “O impacto existe, como dá para ver na balança comercial. A Argentina é um grande mercado, mas a população está sem poder de compra.”

Vale lembrar que somente a Fábrica da Jeep de Goiana produz mil veículos por dia. Por isso, na parada, pelo menos oito mil carros devem deixar de ser produzidos. Em abril de 2019, as vendas da Jeep no mercado brasileiro alcançaram 10.699 unidades. Entre janeiro e abril, as vendas acumuladas somam 39.382 unidades, 4,9% de participação no mercado.

Na perspectiva nacional, o cenário também não é animador. Com queda de 70% para 60% de veículos exportados, a Volkswagen, maior responsável por exportar automóveis para a Argentina, também irá realizar paralisação na fábrica de São Bernardo do Campo (SP). A empresa também disse que a parada era programada. “A fábrica Anchieta entrará em férias coletivas, de 24 de junho a 13 de julho. Nesse período, a unidade realizará alterações técnicas significativas em suas linhas de montagem”, afirmou.

Ainda de acordo com Laranjeira, outras áreas da indústria pernambucana estão sendo afetadas com a inflação argentina. “As baterias, por exemplo. Além disso a gente também exporta alguns acessórios como latas de bebida”, explica.

Por Folha dePE