• Ceclin
ago 02, 2008 4 Comentários


Expulsão dos holandeses foi o ponto de debate da Mesa Redonda

Na sexta-feira (01/08) o Programa A VOZ DA VITÓRIA realizou a sua Mesa Redonda logo após ao meio-dia pela Rádio Tabocas FM abordando o tema: “363 anos da Batalha do Monte das Tabocas – O que teria acontecido se os holandeses tivessem ficado?”.

Participaram do debate os Historiadores e Membros do IHGV – Sr. João Álvares, e o Professor da FAINTVISA – Pedro Ferrer. Os quais fizeram um histórico das nuances daquele período de colonização dos portugueses e a chegada dos holandeses atraídos pelo comércio do açúcar, predominante na Capitania de Pernambuco. Na luta dos portugueses para se manter no Brasil Colônia, a história relata várias lutas sangrentas contra os invasores. Até as mulheres corajosas de Tejucupapo, em Goiânia, lutaram bravamente contra os holandeses e os venceram, heroicamente. Em Vitória de Sto. Antão não foi diferente: um pequeno grupo de soldados e voluntários das três raças, sob o comando de João Fernandes Vieira, no dia 03 de Agosto de 1645, aconteceu o 1º confronto entre brasileiros e holandeses, sendo que o batalhão do inimigo era maior e com grandiosa artilharia. Mesmo assim, foram derrotados. Diante deste contexto histórico, qual a importância histórica da Batalha das Tabocas para Vitória de Santo Antão e para o Brasil? Bem como os seus impactos positivos e negativos da expulsão dos holandeses?

Esse debate foi travado no Programa. O sr. João Alvares lembrou do arsenal de armas da época que foram tomados na Batalha e que serviram para melhor equipar os combatentes da Batalha dos Guararapes – em Jaboatão. Fez um relato histórico das nuances políticas, econômicas, culturais e religiosas do ano da Batalha. Preocupado com a secundarização do Parque Histórico pelo poder público ele lembrou que o único gestor que o valorizou foi o ex-prefeito José Joaquim da Silva em 1945. “Além de construir a Capela no Monte das Tabocas em cumprimento da promessa dos combatentes, em sua gestão, todos os anos, transferia a sede do poder do Município ao Monte para a semana comemorativa deste feito histórico”, ressaltou João Alvares.

Para Pedro Ferrer há todo um simbolismo em torno de Tabocas. “Pernambuco sempre foi o pioneiro em travar debates políticos. Porém pagamos caro por esta atitude. Faça um levantamento dos principais fatos históricos no País e iremos perceber o nosso Estado como apogeu deste aguerrimento político”, pontuou o Professor. “Consequência disso é que Pernambuco perdeu terras para outras Capitanias e a Ilha de Fernando de Noronha, que voltou para nós após a Constituição de 1988″, reforçou Álvares.

Sobre o fato dos vitorienses terem expulsados os holandeses, tanto Ferrer como Álvares foram concordantes, porém destacaram algumas ressalvas. “Colonização nunca foi bom para nenhum País. Pegue os exemplos de países que foram colonizados por holandeses, você não encontrará nestes maiores níveis de desenvolvimento econômico na atualidade”, afirmou Pedro Ferrer. Para João Álvares “a mistura de raças provou que deu certo e o Brasil é merecedor deste êxito. Vale lembrar que os holandeses também só queriam explorar nossas riquezas e não devemos esquecer que eles foram devidamente indenizados para se retirar do Brasil definitavamente”, concluiu. “Considero que os portugueses foram menos dilapidadores de nossas riquezas do que os holandeses”, finalizou Ferrer.

Apresentação: Lissandro Nascimento.
Produção: Jáder Siqueira.
Equipe: Felipe Siqueira, Genilda Alves e Gilberto Júnior.
Fotos: Gilberto Lorena.
Colaboração: Josué Correia.