Ceclin
Maio 09, 2011 0 Comentário


Estudo em Natuba: Mata ciliar é solução para as inundações

CÓDIGO FLORESTAL Trabalho de campo realizado no Rio Natuba comprovou que vazão da água é bem maior em áreas cultivadas que em áreas florestadas. Estudo vai para a SBPC


A vegetação que margeia os cursos d’água, chamada de mata ciliar, evita mesmo enchentes, comprova pesquisa da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE). O trabalho mostra que, em áreas cultivadas, a vazão do rio é sete vezes maior que nas florestadas.
Os resultados serão enviados amanhã para as entidades científicas que acompanham, no Congresso Nacional, a votação do projeto de lei que altera o Código Florestal, prevista para ocorrer esta semana.
Uma das mudanças propostas pelo relator, Aldo Rebelo (PCdoB-SP), é a redução da mata ciliar. Hoje, o Código Florestal estabelece que, no mínimo, a floresta deve cobrir 30 metros de cada margem. O projeto de lei flexibiliza para até 7,5 metros.
“Parlamentares e ruralistas alegam que não há comprovação científica que justifique a manutenção da mata ciliar. Nosso trabalho dá uma contribuição nesse sentido”, diz Ricardo Braga, que orientou o estudo. Ele encaminhará os dados para a secretaria regional da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC).
O levantamento, concluído em dezembro, foi feito no Rio Natuba, um afluente do Tapacurá, que deságua no Capibaribe. O curso d’água fica entre Vitória de Santo Antão e Pombos, na Zona da Mata. O trecho estudado corta o Assentamento Chico Mendes, do Incra, também conhecido como Assentamento do Ronda, nome que a população local dá a essa mata.
O cientista ambiental Felipe Alcântara, que fez o estudo para a conclusão de mestrado, mediu durante o inverno o índice pluviométrico e a vazão do rio em três pontos. O primeiro é cercado por Mata Atlântica, o segundo tem agricultura familiar e mata em regeneração e o terceiro, pasto e cana-de-açúcar.
Enquanto a vazão que alcançou o rio na área de floresta foi de 24,7 litros por segundo a cada quilômetro quadrado, na área de pasto e cana esse número chegou a 177,6 litros. Ou seja, sete vezes mais.
O trabalho de Felipe, para o mestrado em engenharia civil da UFPE, avaliou ainda a oxigenação da água. Os gráficos mostram que nas áreas florestadas a água é muito mais oxigenada.
“Esse parâmetro está relacionado à qualidade do recurso. Água com mais oxigênio é favorável à biota (conjunto de seres vivos) e também ao abastecimento, porque não vai precisar passar por todas as etapas de tratamento. Apenas a cloração, o que barateia os custos.”
A próxima etapa da pesquisa, no doutorado, será comparar os custos dos serviços ambientais com os do abastecimento de água. O cientista ambiental quer saber se a água é mais barata, para o Estado, com a floresta em pé ou desmatada.
A pesquisa, financiada pelo Fundo Nacional do Meio Ambiente (FNMA), teve o apoio da Sociedade Nordestina de Ecologia (SNE), da qual Braga também faz parte.

(Jornal do Commercio).