Ceclin
out 18, 2016 0 Comentário


Estudantes da UFPE ocupam Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão

20161018100940522298a

Manifestação acontece em repúdio à PEC 241 e à Medida Provisória MP do Ensino Médio

Estudantes do Centro Acadêmico de Vitória de Santo Antão (CAV) da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) ocuparam o campus local em repúdio à PEC 241 e à Medida Provisória MP do Ensino Médio, que tramita na Câmara dos Deputados e deve ser votada no próximo dia 24 de outubro. Para os universitários, as medidas representam um atraso nas conquistas populares como a ampliação das universidades, diante dos cortes nos orçamentos da educação e da saúde, concessão de benefícios como o Bolsa Família, aumento de impostos e da idade mínima para contribuição da aposentadoria, privatizações e marco central congelar todos os investimentos públicos durante os próximos 20 anos.

A ocupação acontece também em apoio aos estudantes das 400 escolas e seis universidades ocupadas no Paraná, na Universidade do Vale do São Francisco, Universidade de Pernambuco (Petrolina) e a todas as IFS já ocupadas no País.

Os estudantes estão contando com o auxílio de dois Advogados e serão enviadas cartas informativas sobre a ocupação para reitoria da UFPE e para a direção do CAV, coordenadores de cursos e entidades necessárias. Também está sendo produzida uma agenda de mobilizações. A intenção é de aderir uma greve geral estudantil e contar também com a mobilização dos demais Centros Acadêmicos pertencentes a UFPE que são o Centro Acadêmico do Agreste (CAA) e o Campus Joaquim Amazonas, são localizados o primeiro em Caruaru e o segundo no Recife.

Os estudantes também protestam contra o corte de cerca de 40 bolsas-permanência voltadas a alunos em situação de vulnerabilidade socioeconômica e criticam a falta de infraestrutura do campus para atender a todos os cursos. “Temos que nos deslocar todos os dias, em especial os estudantes dos últimos períodos, que estão em estágios, para uma faculdade privada de Vitória. Temos ônibus que nos transportam, porém o desgaste de termos aulas em outro espaço reflete em nosso aproveitamento acadêmico”, diz o texto do centro acadêmico.

A UFPE informou que os estudantes ocuparam o prédio principal do campus, onde funcionam secretarias e outras estruturas administrativas. Uma reunião ocorre na reitoria da instituição no Recife, para saber como está a situação das aulas na unidade de Vitória de Santo Antão. O campus, o menor da UFPE, tem 1,8 mil alunos em seis cursos de graduação, três de pós-graduação e uma residência.

 

CAV UFPE

Confira a nota oficial da manifestação:

 Este congelamento deflagrará um mais rápido sucateamento das universidades públicas e instituições estatais, o fim da maior conquista social dos últimos 27 anos, o Sistema Único de Saúde (SUS) e a abertura desmedida das entidades públicas para a iniciativa privada, impossibilitando o acesso da classe que não goza dos privilégios de uma elite burguesa e conservadora. É importante relembrar que nós estudantes do Centro Acadêmico de Vitória passamos a EXISTIR depois de muita luta popular e mobilização social para que a interiorização das Universidades Federais acontecesse. Com os desdobramentos da conjuntura nacional e os reflexos no interior do estado de Pernambuco são inúmeros, e pertinentes, atacando os direitos de todos nós estudantes, como também os dos professores e técnicos administrativos. 

Temos no nosso Centro, uma série de elementos que inviabilizam a melhor qualidade tanto do ensino quanto do aproveitamento acadêmico individual de cada um de nós estudantes. Cortes das bolsas dos Estudantes, no último recadastramento tivemos 44 estudantes com suas bolsas cortadas, apenas no edital 2016.1 tivemos um total de 204 inscritos e 86 desclassificados, e não por não atenderem aos critérios de inclusão para serem contemplados e sim porque a Universidade Federal de Pernambuco repassou apenas R$ 60 mil para pagamento dos auxílios moradia e alimentação. Temos então sem análise precisamente estatística e fomentada pela soma dos números de estudantes não contemplados, 130 estudantes sem suporte algum garantido pela Universidade, analisando também o edital 2016.1 podemos identificar que houve um corte em 50% dos inscritos.

 

Outro ponto que desencadeou uma sequência de reuniões e mobilizações é de que o nosso Centro não comporta os estudantes já matriculados, temos que nos deslocar para um prédio anexo, alugado por cerca de 12 mil reais mensais que agora está interditado devido condenação por obra vizinha. Após esta problemática temos que nos deslocar todos os dias, em especial os estudantes dos últimos períodos que estão em estágios para uma faculdade privada de Vitória, temos ônibus que nos transportam, porém o desgaste de termos aulas em outro espaço reflete em nosso aproveitamento acadêmico.

Por fim consideramos necessário que fortifiquemos que o nosso maior desejo é que a voz e a luta de todos os estudantes do Centro Acadêmico de Vitória sejam atendidas pela Diretoria do Centro e Reitoria da Universidade para que deixemos exposto que não concordamos com o desgoverno de Michel Temer e tampouco com o Ministro da Educação Mendonça Filho e seus últimos ajustes na PORTARIA NORMATIVA Nº 20 de 13/10/2016, que dispõe sobre o procedimento de redução de vagas de cursos de graduação, ofertados por Instituições De Ensino Superior- IES, integrantes do Sistema Federal De Ensino, e altera a Portaria Normativa nº 10 de 6 de maio de 2016. 

UFPE CAV