• Ceclin
set 25, 2012 0 Comentário


Espetáculo de Osman Lins ganha sua segunda montagem no Recife

“Auto do salão do automóvel” está em cartaz no Teatro Hermilo Borba Filho (Foto: Marcus Ramos/Divulgação)

G1 PE

“Auto do salão do automóvel” discute a urbanização mal planejada. Montagem integra o projeto Transgressão em 3 atos.

A ocupação mal planejada dos espaços urbanos, que pensa em resolver problemas imediatos sem lançar um olhar para os efeitos dessas mudanças no futuro. Esse tema tão em voga é o ponto de debate do espetáculo “Auto do salão do automóvel”, escrita por Osman Lins em 1969, e que está em cartaz no Recife até 21 de outubro. A peça pode ser vista no Teatro Hermilo Borba Filho, na Rua do Apolo, 121, bairro do Recife, centro da cidade. As apresentações acontecem aos sábados e domingos, sempre às 18h, com entradas a R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).

Esta é a segunda montagem do espetáculo, que tem direção de Kleber Lourenço e elenco formado por Alexandre Guimarães, Evandro Lira, José Ramos, Roger Bravo e Stella Maris Saldanha. Até então, o “Auto” só havia sido montado em 1970, pelo Teatro Popular do Nordeste (TPN), com direção de José Pimentel.

Ambientado na grande São Paulo de 1969, o “Auto do salão do automóvel” ultrapassa o tempo e as barreiras geográficas: seu tema é urgente e pulsante, presente nas grandes cidades de todo o mundo. O espetáculo carrega também outra forte característica: ambientado no Brasil da ditadura militar, o texto faz referências ao contexto autoritário da época.

Transgressão

Produzida pela atriz e jornalista Stela Maris Saldanha, a nova montagem de Auto do salão do automóvel integra o projeto Transgressão em 3 atos, iniciado por Saldanha ainda em 2008, em parceria com Alexandre Figueirôa e Claudio Bezerra. O projeto iniciou como uma pesquisa sobre três grandes grupos teatrais de Pernambuco: Teatro Popular do Nordeste (TPN), Teatro Hermilo Borba Filho (THBF) e o Vivencial Diversiones.

Além da pesquisa que deu origem ao livro homônimo, o Transgressão em 3 atos extrapola os limites do papel e entra nos palcos, montando espetáculos marcantes nas histórias dos grupos estudados. Dentro disso, a primeira peça montada foi “Os fuzis da senhora Carrar”, de Bertolt Brecht, que foi levada ao público do Recife em 2010, como homenagem ao THBF. Na época da montagem, foi filmado também um documentário com os bastidores do espetáculo, “Os fuzis de dentro para fora”, com direção de Claudio Bezerra. O projeto deve ser concluído com uma terceira montagem, desta vez, de um espetáculo do Vivencial.

O grupo montou ainda, no saguão do Hermilo Borba Filho, uma exposição com fotos e documentos do TPN, como cartas do próprio Osman Lins; e alguns vídeos, entre eles, o documentário filmado por Bezerra.

Serviço

Auto do salão do automóvel / Em cartaz até 21 de outubro / Sábados e domingos, às 18h

Teatro Hermilo Borba Filho – Rua do Apolo, 121, bairro do Recife / Entradas: R$ 10 (inteira) e R$ 5 (meia).