• Ceclin
jun 05, 2010 3 Comentários


Educação ambiental ganha força em Vitória de Santo Antão

Na sexta-feira (28) de maio, foi ao ar mais um Programa Mesa Redonda pela Rádio Tabocas FM (98,5) iniciada às 12:30h. com Apresentação de Lissandro Nascimento.
Nessa Mesa foi abordado o tema “Reciclagem e Cidadania”, onde contamos com a participação da Professora do Curso de Enfermagem Ana Vládia, do Centro Acadêmico da UFPE-CAV da Vitória de Santo Antão, ela também é Coordenadora do Projeto Recicla Vitória. Durante o debate foi discutido as ações das Gestões e da Comunidade, bem como será realizada a coleta seletiva de materiais recicláveis.

O Projeto Recicla Vitória está com aproximadamente oito meses de existência com um grupo de catadores de materiais recicláveis, concentrando suas atividades no Bairro do Mário Bezerra. É um Projeto de extensão do Centro Acadêmico da Vitória – CAV, que vem tendo seus encontros semanais com um objetivo de organizar o grupo e constituir uma Cooperativa.
O Apresentador Lissandro Nascimento ressaltou a importância para toda a comunidade de que é bom saber que já existem pessoas se prontificando a querer ajudar com a iniciativa de preservação ao meio ambiente. Durante o Programa foi apresentada aos ouvintes a Estudante do 6° período de Enfermagem do CAV – Marília Gabriela.
Ao observar que existe uma grande gama de pessoas que trabalham diretamente na coleta de materiais recicláveis, constatou-se que estas pessoas têm nível de escolaridade baixo, alguns não têm sequer os documentos necessários de um cidadão, são pessoas que vivem à margem da sociedade. “O objetivo é promover a inclusão social resgatando os direitos sociais desse grupo e promover a capacitação desse grupo com o objetivo de uma organização solidária para que se possa construir uma cooperativa. Nosso desejo é que esse grupo possa entender esse projeto e abraçar a ideia”, declarou Vládia.
No momento a professora Ana Vládia afirmou que tinha 40 pessoas cadastradas no projeto, mas calcula que existam entre 200 a 300 pessoas exercendo a atividade de catadoras de recicláveis em Vitória, inclusive a presença de famílias inteiras realizando essa atividade.

“O projeto é da Universidade junto com a Secretaria de Educação que conta com a participação da Prefeitura da Vitória através das Secretarias de Meio Ambiente e o da Ação Social. Temos também parcerias com o Conselho de Moradores do Mário Bezerra que cede o espaço para as reuniões, realizadas todas as quartas feiras das três às quatro horas da tarde”, informou.
Ela citou que o CAV tem feito esforços para consolidar esta ação: “A gente já apresentou o projeto ao prefeito Elias Lira, ele aprovou e se disse parceiro abrindo as portas da gestão municipal para ajudar no que for preciso”, ressaltou.

“No entorno junto às empresas privadas a gente já entrou em contato com a Sadia que se mostrou interessada em ser parceira desse projeto através da construção de um programa ambiental que ela desenvolve para Vitória de Santo Antão, pelo qual já fizemos alguns contatos”, sinalizou.
A professora ressaltou que o engajamento dos outros parceiros pode vir a somar para que realmente se tenha uma contribuição bastante positiva nesse grupo inicialmente articulado.
Ela explicou que o Cooperativismo é uma Associação de pessoas que exercem uma atividade em comum e que se agrupam para fazer essa atividade em comum, só que de forma legalizada em que os cooperados passem a ter direitos trabalhistas garantidos, pois se trata de uma empresa coletiva onde todos são donos e passam a dividir os lucros por igual, as decisões também são tomadas de forma coletiva onde todos têm direito de opinião e voto.
“O trabalho cooperativado ajuda no crescimento social e econômico das pessoas, porque consegue legalizar a profissão e a regulamentação do trabalho, fazendo com que as pessoas passem a ter uma vida econômica e social mais viável”, salientou Vládia.

Citou que está sendo realizado a capacitação em três módulos. O primeiro trata-se quanto a promoção à saúde e cidadania, o segundo será sobre a questão ambiental, os processos de reciclagem dos produtos que podem ser reciclados e o valor comercial disso, já o terceiro módulo será focado no Cooperativismo, onde será explicado o que é cooperativismo, qual o papel do cooperado, para a partir de então criar legalmente a cooperativa, iniciando os trabalhos.
O projeto tem o financiamento do MEC, é através desse financiamento que se adquire alguns equipamentos que será distribuído para o grupo cooperado. São equipamentos de proteção individual como botas, luvas, óculos adequados, uma prensa e uma balança para se organizar e estruturar os trabalhos.

Para eles o segundo passo se dará junto ao poder público municipal, onde será pleiteado um local adequado dentro dos padrões de segurança ambiental para programar o projeto, o qual já está sinalizado recebendo uma resposta positiva quanto a esta etapa.
“As pessoas trabalham em condições subumanas e a maioria não tem equipamento de proteção individual, os carrinhos não são adequados para o transporte do material causando problemas de coluna a muitos catadores, fora o fato de ainda termos muitos com problemas de hipertensão (pressão alta) e sem contar que a grande maioria não tem sequer documentação básica”, salientaram.
Vládia citou exemplos de alguns municípios que se juntaram tanto o poder público e a sociedade civil, os quais deram ajuda significativa para melhorar as condições de trabalho dessas pessoas.

Perguntado se havia possibilidade de outras faculdades da Vitória de Santo Antão se integrar de forma voluntária ao projeto, aproveitando o uso de estágios, ela explicou: “para atuar como voluntariado o projeto está de portas abertas e tanto a FACOL quanto a FAINTVISA, são bem vindos porque quando se soma se ganha em qualidade. E a cooperativa precisará de orientação na área administrativa com relação à conformação da cooperativa, organização e planejamento, em fim toda a cooperação é bem vida para nós”, reforçou.
Para o público infanto juvenil que exerce a função de catadores de recicláveis, a Vládia informou que usará a parceria com a gestão municipal e através da Secretaria de Ação Social identificará esses menores, os quais serão encaminhados a programas sociais como o Projovem, dentre outros, para que eles possam ser encaminhados à escola, pois afirmaram que o Recicla Vitória não trabalha com menores de idade.

Na seqüência do Programa, o professor Leandro Finkler informou que em paralelo ao Projeto Recicla Vitória haverá uma campanha de conscientização da população para a mesma realizar o sistema de coleta seletiva, separando metais, papel plástico e material orgânico em recipientes distintos, facilitando assim o trabalho dos catadores e evitando acidentes com a separação desses recicláveis.

A população também participou através do telefone 3523 3304 indagando aos entrevistados e denunciando algumas lojas de venda e de conserto de celulares, afirmando que descartam pilhas e baterias velhas no lixo comum em pleno centro comercial. Citaram especificamente que esses materiais perigosos foram descartados no meio-fio das calçadas.

Na segunda parte do Programa tivemos a participação de Albertino Correia da empresa Tec Info, que tem um projeto chamado Recicle e Viva, direcionado para o recolhimento de produtos eletro eletrônicos a fim de que os mesmos tenham destino correto e não acabem poluindo o meio ambiente, evitando que estes sejam descartados como lixo comum.

Esse projeto tem como finalidade tirar esses materiais dos lixões e das reciclagens, sendo desmontados, descaracterizados e mandados de volta para as empresas. Um exemplo de material perigoso seria o vidro de scanner de impressoras, que não podem ser reciclados como vidro comum e nem descartados em lixões; o vidro do scanner tem que ser enviado para a empresa onde são processados e viram verniz para cerâmica, deixando de oferecer perigo ao meio ambiente.
Finalizando o Programa, Albertino atentou para o perigo de descartar pilhas e baterias no lixo comum, pois esses objetos quando entram em decomposição liberam metais pesados e gases tóxicos que poluem de maneira perigosa o lençol freático.

Apresentação: Lissandro Nascimento.
Produção: Jáder Siqueira, Orlando Leite e Cláudio Gomes.
Equipe: Emerson Lima, Berg Araújo, Genilda Alves.