Ceclin
Maio 06, 2012 2 Comentários


Eduardo negociará montadora na China

VEÍCULOS Governador terá encontro na 5ª feira com a diretoria da Shaanxi, que produz os caminhões Shacman que em fevereiro anunciou planos de instalar uma fábrica no Brasil

Jornal do Commercio

O governador do Estado, Eduardo Campos, viajou sexta-feira rumo à China com o objetivo de alavancar as negociações para conquistar uma montadora de caminhões para Pernambuco. Depois de ver minguarem os planos da alemã Volkswagen de instalar uma planta industrial em solo local, o chefe do executivo se encontra na próxima quinta-feira com a diretoria da Shaanxi Automobile Group Co. (SAG). O grupo, que produz caminhões da marca Shacman, já possui operações no Estado – uma Central de Distribuição (CD) no Porto do Recife. Em fevereiro, no primeiro desembarque desses veículos na capital, foram anunciados os planos de instalação de uma fábrica no Brasil, que consumiria aproximadamente R$ 1 bilhão em investimentos e teria capacidade de gerar até 2 mil postos de trabalho.

O encontro com a SAG é o ponto alto da viagem, cuja agenda de quatro dias inclui também uma visita a outra montadora, a Great Wall Motors Company, maior fabricante privada de veículos na China. Otimista, o presidente da Agência de Desenvolvimento Econômico de Pernambuco (AD Diper), Márcio Stefanni, comentou que a presença de Eduardo Campos nas negociações com a SAG mostra que as conversas ganharam impulso. “O governador não iria desperdiçar tempo sem que houvesse chances da planta se instalar em Pernambuco. Como a província de Shaanxi detém cerca de 49% do capital da SAG, é importante para os chineses que o chefe maior do Estado participe das tratativas, a fim de estreitar as relações”, afirmou.

Stefanni disse ainda que não foram discutidos o real porte do projeto, possíveis áreas para instalação da fábrica ou incentivos fiscais. “Vínhamos tendo um namoro de portão e agora vamos entrar na casa, para conhecer a mãe”, brincou. Especulações do mercado apontam que Pernambuco briga com Alagoas, Ceará, Rio de Janeiro e São Paulo pela possível fábrica da SAG no Brasil.

O presidente da AD Diper comentou também que, diferentemente da Volkswagen, que optou por ampliar sua fábrica em Taubaté (SP) em vez de construir uma nova em Pernambuco – apesar de, até o final do ano passado, o investimento US$ 2 bilhões ter sido considerado certo para o Estado -, a SAG não é concorrente direta da Fiat e, portanto, não depende de benefícios fiscais semelhantes.

“Nesse caso, a presença do Complexo da Fiat, em Goiana, amplia as chances de Pernambuco. Já que a SAG poderá compartilhar parte da mão de obra que será formada para o setor automotivo e fornecedores. O fato de eles já terem uma operação no Estado, a CD do Porto do Recife, também os coloca em uma posição diferenciada de outras empresas orientais que estudaram Pernambuco para investimentos”, afirmou, referindo-se a BYD e JAC Motors. Essa última terminou optando por investir na Bahia.

A SAG produz por ano 30 mil caminhões e 1.500 ônibus, além de componentes automotivos como eixos, radiadores e tanques de óleo. Todo o grupo possui 11 subsidiárias, sendo a Shacman uma delas.

A SAG tem como política firmar joint-ventures com empresas de outros países para ganhar mercado e aumentar produção. Uma de suas parceiras é a MAN, montadora de caminhões pertencente ao grupo Volkswagen. Nos últimos anos, apresentou um crescimento médio de 40% o que lhe catapultou à lista de 500 maiores empresas da China.