Ceclin
jun 05, 2017 0 Comentário


Economia brasileira levará até cinco anos para se recuperar do golpe de Estado, prevê economista

A economia brasileira vem se desacelerando conforme aumenta a crise política no país. Como é possível se constatar no movimento do Porto do Rio de Janeiro

A economia brasileira vem se desacelerando conforme aumenta a crise política no país. Como é possível se constatar no movimento do Porto do Rio de Janeiro

Tecnicamente, ao deixar de registrar dois trimestres seguidos de recuo, a economia brasileira saiu da recessão. O economista Marcos Troyjo, diretor do BricLab da Universidade de Columbia, nos EUA, afirma, no entanto, que ainda é cedo para dizer que a crise econômica acabou.
 
Por Redação Jornal Correio do Brasil., com DW – de Columbia, EUA

Apesar da alta de 1% do PIB, é cedo para dizer que o País superou a recessão, afirma o economista liberal Marcos Troyjo. Em entrevista à agência alemã de notícias Deutsche Welle (DW), Troyjo afirma que retomada de confiança dos investidores dependerá do resultado da eleição presidencial de 2018.

Após dois anos de queda, a economia brasileira registrou alta de 1% no primeiro trimestre de 2017, em relação aos três últimos meses do ano passado, afirmou o IBGE nesta quinta-feira. O presidente de facto, Michel Temer, comemorou o resultado como o fim da recessão. Mas exagerou, segundo o economista, que avalia o cenário do ponto de vista neoliberal, voltado para os interesses dos conglomerados transnacionais, geralmente contrários aos anseios dos trabalhadores.

Tecnicamente, ao deixar de registrar dois trimestres seguidos de recuo, a economia brasileira saiu da recessão. Mas, até para o economista Marcos Troyjo, diretor do BricLab da Universidade de Columbia – uma das mais neoliberais dos EUA –, ainda é cedo para dizer que a crise econômica acabou.

— A incerteza na esfera política ainda ameaça uma recuperação plena. Uma suposta lua de mel entre o Brasil e os agentes econômicos foi impactada pelo caso JBS — disse, em entrevista à DW Brasil, neste domingo.

Leia, adiante, os principais trechos da entrevista reproduzida aqui, no Correio do Brasil:
— O País deixou a recessão para trás?

— Ainda não. É claro que, nos últimos seis meses, passou a sobressair nos formadores de opinião e agentes econômicos um sentimento de “virada de jogo” para o Brasil. E de que 2017 seria o ano do “fim da crise”. Ainda que tímida, eu diria mesmo que ganhava corpo a chance de um novo caso de amor entre o Brasil e os mercados. Desta vez, os mercados escolheram identificar na predisposição a realizar reformas o “marco zero” para um novo romance com o Brasil.

Nessa linha, a inegável capacidade de construir maiorias no Congresso, de que o governo Temer dispunha até há pouco tempo (fez a diferença). E a adoção de muitos dos pressupostos presentes no documento Ponte para o Futuro somaram-se a outros fatores – todos convergentes a sugerir uma nova lua de mel entre país e agentes econômicos. Tudo isso, no entanto, foi impactado pelo recente caso JBS. Inflação, gestão macroeconômica, governança das estatais – tudo isso melhorou (sob o ponto de vista da extrema-direita). Mas a incerteza na esfera política ainda ameaça uma recuperação mais plena.

Inserção internacional
— Esse crescimento econômico é pontual ou marca uma tendência sustentável?

— Isso vai depender tanto das condições globais quanto da situação interna. No mundo, as forças desglobalizadoras no comércio e na interdependência – a exemplo do America First de Trump e do Brexit – dão ao Brasil tempo para reajustar sua estratégia de inserção internacional.

A normalização monetária nas economias desenvolvidas é mais gradual e suave do que se previa. Seus efeitos são marginais ante o potencial de direcionamento da abundante liquidez internacional a países como o Brasil. Isso, seja em alocações de curto prazo ou a projetos de infraestrutura.

Puxado por novas demandas do Sudeste Asiático, com a emergência econômica do entorno chinês e o eventual renascimento da infraestrutura nos EUA desejado pela Trumponomics, o valor das commodities agrícolas e minerais, no qual o Brasil apresenta vantagens comparativas, está em recuperação. Assim, todos os preparativos para uma nova fase de crescimento para o Brasil são estritamente internos. Eles dependem, no limite, de que, até 1° de janeiro de 2019 não se desperdice tempo para o encaminhamento das reformas previdenciária e trabalhista. Com ou sem Temer.

Pró-mercado
— A crise política poderá fazer com que a economia volte a recuar no segundo trimestre?

— Isso vai depender de como os efeitos do caso JBS e de outras dinâmicas na área político-jurídica serão sentidos nos próximos trimestres. Eles não podem oxidar maiorias parlamentares pró-reformas. No mesmo quadro, a intocabilidade de rumos e mesmo equipes do ministério da Fazenda e Banco Central, bem como a linha das atuais administrações de Petrobras, Eletrobras e BNDES, são fundamentais. (…)

— A alta da economia poderá conter um pouco a crise política e fazer com que Temer pelo menos ganhe tempo?

— Essa chance existe. E muitas forças políticas gostariam de ver o cumprimento da agenda parlamentar das reformas. Algumas delas são impopulares, dada a má capacidade de comunicação do governo Temer. Assim, a continuidade da atual administração federal serve mesmo àqueles que fazem nominalmente oposição a Temer. Quem quer que venha assumir o comando do Brasil a partir de 1° de janeiro de 2019 terá uma tarefa menos árdua e, portanto, não precisará gastar tanta energia e capital político, se muito do ajuste fiscal e das reformas estruturais tiverem avançado durante a presidência Temer.

Delação da JBS
— Quando o crescimento econômico deverá começar a refletir na diminuição da elevada taxa de desemprego?

— Já sentiremos nos próximos meses algum reflexo positivo no aumento de postos de trabalho. Pelo simples fato de o país ter deixado de piorar macroeconomicamente. Há, no entanto, a questão da retomada da confiança. Sobretudo por parte do empresariado e do consumidor, a qual vinha melhorando. Mas que também foi impactada pela fase de incerteza inaugurada com a delação da JBS. Acredito que uma recuperação da confiança mais vigorosa virá apenas com o resultado do pleito presidencial no ano que vem. De modo que uma diminuição significativa do desemprego é algo mais plausível apenas a partir de 2019. Num quadro de recuperação econômica, os primeiros vetores a reagir positivamente são bolsa de valores e câmbio. Daí vêm confiança, investimento – e só então um efeito mais robusto no emprego.

Expansão média
— Até recentemente, o Brasil era a sétima maior economia do mundo. Mas foi ficando para trás e hoje ocupa a nona posição. Em quantos anos o país pode voltar à colocação anterior?

— Voltar a ser a sétima economia do mundo levará ao menos cinco anos, caso o Brasil consiga uma expansão média de seu PIB superior a 2,5% ao ano entre 2018 e 2022.

Não há nada de automático ou definitivo na ascensão e queda do Brasil. O sentimento positivo que havia até recentemente em relação ao país – agora, infelizmente, substituído por ceticismo e decepção – originou-se de fatores que, sem dúvida, levam uma nação a crescer durante certo tempo. Mas não a mudar de paradigma. Para “subir o degrau”, o Brasil precisa construir alguns consensos sobre a forma como vai gerar riqueza. E o mais básico deles reside nas reformas pró-negócios.

Mais uma vez, não há nada de irreversível no declínio brasileiro. Também não há nada de automático e assegurado de que o Brasil reemergirá. O governo brasileiro precisa “sair na frente”. Tornar-se o arquiteto de reformas estruturais que lhe permitam ser menor e melhor.