• Ceclin
jan 18, 2012 40 Comentários


Duque de Caxias vira Praça de guerra na Festa do Padroeiro de Vitória

Palco de inúmeros eventos festivos e “Quartel do Frevo” dos Carnavais vitorienses, a Praça Duque de Caxias, no Centro da Vitória de Santo Antão, provou mais uma vez que não dispõe de condições de receber macro eventos.

Ao custo de R$ 86.500,00 (Oitenta e seis mil e quinhentos Reais), o Prefeito Elias Lira (PSD) contratou as Bandas Forró do Muído e Arreio de Ouro, para marcar as festividades da 387ª Festa de Santo Antão, promovida na véspera do feriado municipal, na segunda para a terça-feira (17).

Feriado do Padroeiro, 17 de janeiro – a Praça Duque de Caxias lotou para acompanhar os show’s destas bandas midiáticas. O que era para ser uma madrugada festiva acabou com mais de trinta ocorrências de inúmeros aspectos. Pancadaria, empurra-empurra, assaltos, garrafas de vidro voando, mesas por todos os lados, ambulantes desordenados, confusão e constantes brigas, portas dos estabelecimentos comerciais impregnados com o odor de urina, bêbados tomando conta do trânsito na Av. Mariana Amália (próximo a Praça), postos de combustíveis abruptamente fechados, pessoas armadas e o que é pior… espaço pequeno para uma multidão, inclusive de outras cidades, que foi prestigiar o evento constatando a ausência de uma infra estrutura, exigência básica de qualquer evento de médio porte.

Algumas ocorrências registradas no Hospital João Murilo Oliveira (Vitória):

* Edvaldo Alves de Paiva, 31 anos, morador do Bairro do Livramento, vítima de agressão física;

* Augusto Manoel dos Santos, 37, residente no Engenho Pirapama, foi levado a unidade hospitalar acompanhado da Polícia Militar para se submeter a um exame traumatológico, após se envolver em uma confusão neste evento;

* Edvaldo Salvino de Melo, 27, residente na comunidade de Dr. Alvinho (Vitória), também acompanhado da PM para realizar o exame traumatológico, acusado de ter se envolvido em uma confusão durante a madrugada na Duque de Caxias;

* Josenilson Luiz da Silva, 26 anos, residente no Sítio Água Azul, em Pombos, vítima de uma agressão física;

* Eduardo Cândido de Oliveira, 22, morador da Rua 09 – Bairro Cajueiro (Vitória), com escoriações pelo corpo, após uma troca de tapas na Duque de Caxias;

* Michel de Lima Silva, 19, morador de Bonança II, vítima de uma agressão durante uma confusão no evento;

* Aldair do Nascimento, 26, endereço não declarado, vítima de uma agressão à faca na Duque de Caxias;

* Robson Pedro Siqueira de Araújo, 18, chegou ao hospital bastante machucado após uma briga no Centro de Vitória;

* Bruno Rafael de Menezes da Silva, 20 anos, residente no Bairro da Matriz, vítima de um acidente de trânsito na Av. Henrique de Holanda, em decorrência do grande fluxo da movimentação deste evento.

A festa promovida pela Prefeitura da Vitória de Santo Antão não garantiu um mínimo de estrutura. Erros primários foram cometidos, próprios de quem não sabe organizar evento.

Não se faz um evento deste porte com duas bandas midiáticas em um espaço que não dispõe de boa acessibilidade. Não se faz um evento sem segurança, sem ordenamento dos ambulantes e com a permissão de garrafas de vidro. Segurança precária, não houve portões de controle nas principais entradas da Praça para averiguar se haviam pessoas armadas ou ainda para inibir a entrada de recipientes álcoolicos de vidro. Não houve a garantia para um evento de grande multidão de serviços de saúde, policiamento e de bombeiros em quantidade compatível com a demanda. O efetivo Policial teve que se dividir entre inibir o vandalismo e ou o atendimento das vítimas na unidade hospitalar. O SAMU superou sua capacidade de trabalho. O trânsito ficou caótico. A chegada em casa dos que foram ao Centro ficou comprometida. O caos se instalou na madrugada do feriado no Centro de Vitória.

A Duque de Caxias é uma ladeira. Um lugar que qualquer governante sério nunca faria um evento desses naquele lugar. Vitória de Santo Antão não possui um pátio de eventos… uma vergonha! Não é de se esperar melhores resultados, pois, para uma cidade que não tem Matadouro Público não deveria ter Pátio de Eventos, não é mesmo?

O Governo do Estado prometeu no primeiro ano da atual gestão o envio de uma verba para a construção de um Pátio de Eventos no final da Av. Mariana Amália, tratando-se de um Projeto com a articulação do ex Secretário Paulo Roberto, quando era responsável pelo setor de Cultura, Turismo e Esportes da cidade. Porém, até agora a cidade aguarda o cumprimento desta promessa.