Ceclin
set 27, 2016 0 Comentário


Dr. Sylvio explica: Entenda tudo sobre Asma

bombinha asma2

Por Dr. Sylvio Gouveia     

O principal sintoma da asma é a falta de ar que pode surgir de forma repentina em indivíduos de qualquer idade, mas a asma é frequentemente diagnosticada na infância embora persista até a vida adulta. Viver com uma doença crônica como a asma requer muita aceitação e dedicação para conviver bem com a doença, sendo muitas vezes um processo demorado e exigente.

A asma é uma doença que pode desaparecer ou apresentar grande melhoria na adolescência. Em alguns casos, ela desaparece e retorna anos depois na vida adulta; em outros, ela vai embora e nunca mais volta. Também há os pacientes que irão desenvolver asma pela primeira vez somente na vida adulta, alguns somente na 3ª idade.

A asma é uma doença que pode surgir em qualquer idade, mas é mais comum em crianças. Em 75% dos casos, ela se manifesta antes dos 7 anos de idade. Estima-se que a doença acometa cerca de 10% da população pediátrica e 5% dos adultos.

Os sinais e sintomas mais comuns da asma são a falta de ar, o broncoespasmo (caracterizado por um chiado no peito durante a respiração) e a tosse. Muitos pacientes também queixam-se de sensação de peso ou compressão no peito. Um característica típica da asma é o agravamento dos sintomas à noite.

A asma costuma se manifestar em ataques, que vão e voltam, e são desencadeados por alguns fatores conhecidos, como viroses respiratórias, fumaça, frio, poeira, pelo de animais etc. Quando fora das crises, o paciente habitualmente não apresenta sintomas, porém, algum grau de broncoespasmo costuma estar presente, principalmente nos pacientes com formas mais graves de asma.

A asma costuma ser classificada como intermitente,  persistente leve, persistente moderada ou persistente grave.

Prevenção e controle são a chave para impedir que os ataques de asma comecem. As medicações de uso contínuo servem para minimizar a sensibilidade e a inflamação as quais os brônquios da pessoa asmática estão sujeitos, fazendo com que os pulmões reajam com menos intensidade aos agentes irritantes, como poeira e ácaros.

Não há cura para asma, embora os sintomas às vezes melhorem ao longo do tempo. Com autogerenciamento e tratamento apropriados, a maioria das pessoas com asma pode levar uma vida normal.

Médico Sylvio Gouveia - AVV Imagem

 

Dr. Sylvio Gouveia, é Clínico Geral e Anestesista.

Facebook/SylvioGouveia

 

 

 

 

LEIA TAMBÉM

Álcool e Direção não combinam

Qualidade da Água

Automedicação

Dicas importantes para Diabetes