• Ceclin
fev 07, 2020 0 Comentário


Dois homens do Presídio de Vitória infectados sob suspeita de meningite

Presídio da Vitória de Santo Antão recebeu equipe da Secretaria de Saúde nesta sexta (7). Foto: Arquivo

Presídio da Vitória de Santo Antão recebeu equipe da Secretaria de Saúde nesta sexta (7). Foto: Arquivo

Por  Lissandro Nascimento 

Nas últimas 24 horas dois apenados do Presídio da Vitória de Santo Antão, na Zona da Mata Sul pernambucana, foram atendidos em estado grave na Emergência do Hospital João Murilo de Oliveira, sob suspeita da doença meningocócica – causada por bactérias – que é a mais grave. O primeiro foi atendido na tarde da quinta-feira (06/02) e outro nesta sexta-feira (07).

No primeiro atendimento um dos homens foi prontamente socorrido no Hospital João Murilo e depois devidamente encaminhado até ao Hospital Correia Picanço, em Recife. Lá constatou-se que o paciente, Leonaldo Ferreira de Oliveira, se encontra com a doença através do exame no líquido cefalorraquidiano (LCR). Contudo, durante a manhã, o Hospital Correia Picanço não havia informado sobre o estado de saúde do paciente de 28 anos, o que gerou nas redes sociais em Vitória o suposto óbito. No início da tarde desta sexta, o serviço de Saúde afirmou que o paciente se encontra internado na Unidade de Terapia Intensiva (UTI).

O outro de 22 anos, José Aroldo de Lima foi atendido nas primeiras horas da manhã de hoje, no João Murilo, e acabou falecendo sob suspeita meningocócica. Ele foi condenado por roubo, segundo informações da Secretaria-Executiva de Ressocialização (Seres). O hospital chegou a explicar ao público  por algumas horas na manhã de hoje a situação. Toda a equipe médica do hospital está paramentada com máscaras e batas que o caso requer e prontos para qualquer outra eventualidade em decorrência desses casos. O Hospital João Murilo declarou que não há motivos para alardes e que as medidas necessárias já estão sendo adotadas, inclusive com o atendimento seguindo normalmente.

Por sua vez, na manhã desta sexta-feira, o Presídio da Vitória de Santo Antão recebeu a equipe da Secretaria de Saúde que  informou que os profissionais e toda a população carcerária da unidade foram medicados e receberam a quimioprofilaxia – que é a administração de antibiótico – conforme protocolo do Ministério da Saúde. Também estão sendo medicados os prestadores de serviços e o  público que freqüenta costumeiramente o Presídio. Todos os agentes penitenciários estão equipados com máscaras e outros equipamentos de proteção até que a situação se tranquilize.

Em virtude do alerta, o diretor do Presídio de Vitória, Emanuel Lima, suspendeu as visitas junto aos apenados marcadas para este final de semana, sob medida de precaução. Celas que tiveram contato com o apenado morto foram higienizadas e estão sendo monitoradas. A unidade carcerária detém no momento precisamente 547 prisioneiros, apesar do prédio estar destinado para ter 120 confinados.

MENINGITE

É um processo inflamatório das meninges, membranas que envolvem o cérebro e medula espinhal. Ela pode ser provocada por bactérias, vírus, parasitas e fungos. A doença meningocócica – causada por bactérias – é a mais grave. Já a viral é a forma benigna da doença e de maior ocorrência.

A Doença Meningocócica pode ocorrer durante todo o ano, mas possui uma maior prevalência durante o inverno, pois é um período chuvoso em que as pessoas costumam ficar mais tempo aglomeradas em ambientes fechados.

Sintomas: febre alta que começa abruptamente, dor de cabeça intensa e contínua, vômito, náuseas, rigidez de nuca e manchas vermelhas na pele (petéquias).

Atendimento: Ao notar o aparecimento dos principais sintomas da doença, as pessoas devem se dirigir às unidades de saúde mais próximas de sua residência, como postos de saúde, policlínicas e Unidades de Pronto-Atendimento.

Em casos graves da doença, as equipes médicas farão o encaminhamento do paciente para unidade de referência do Estado, o Hospital Correia Picanço, em Recife.

Transmissão: Ocorre por via respiratória, por meio de gotículas e secreções do nariz e garganta. É preciso ter contato próximo e prolongado com uma pessoa infectada para que haja a transmissão.

Medidas de Controle: Caso seja comprovado um caso, é indicada, às pessoas mais próximas ao paciente e que tiveram contato com as suas secreções, a quimioprofilaxia (distribuição de medicamentos para bloquear a transmissão da doença). Em casos suspeitos, é indicado fazer a profilaxia em até 72h depois. É importante frisar que nem todo mundo que teve contato com a bactéria irá desenvolver a enfermidade.

Prevenção: Segundo os especialistas, é muito difícil de prevenir a doença.  Manter os ambientes ventilados e arejados ajuda a reduzir os riscos.

Existem vacinas para prevenir alguns tipos de meningite nas unidades de saúde pública, disponibilizadas, de acordo com protocolo do Programa Nacional de Imunização, para crianças menores de dois anos, que é o público mais vulnerável.  As vacinas são: BCG (meningite e tuberculose); Tetravalente (meningite por haemophilus influenza tipo B) e Meningite (meningite meningocócica do sorogrupo C menores de um ano).