Ceclin
ago 10, 2011 2 Comentários


Docile investe R$ 9 milhões em mudança de fábrica para Vitória

Redação do DIARIODEPERNAMBUCO.COM.BR

A Zona da Mata pernambucana vai ganhar mais uma indústria do setor alimentício nos próximos meses. A gaúcha Docile, líder na América Latina na produção de pastilhas e segunda maior produtora nacional de balas de goma, anunciou que vai transferir a unidade de produção, em Jaboatão dos Guararapes, para o município de Vitória de Santo Antão.

A Docile informou que inicialmente serão investidos cerca de R$ 9 milhões na construção e montagem da linha de produção da unidade fabril, que vai ocupar uma área de 46 mil metros quadrados. As obras de terraplenagem já foram iniciadas e a previsão da empresa é de que a operação seja iniciada no início de 2013. Na fase inicial, serão gerados 150 empregos diretos.

Com a construção da unidade em Vitória, a Docile pretende aumentar a participação no mercado nordestino, que atualmente representa 25% do faturamento da empresa. A nova unidade vai possibilitar, ainda, estender a presença da indústria nos mercados internos e externo e reduzir os custos com o frete de matéria-prima em até 40%.

Para este ano, a Docile prevê um faturamento de R$ 80 milhões com o crescimento de 23% no mercado nordestino. “Pretendemos investir na descoberta de novos sabores de produtos típicos da Região Nordeste, uma vez que já produzimos doces com sabores como cajá, caju e graviola”, explicou Ricardo Heineck, diretor da Docile.

Atualmente, a unidade matriz da empresa, localizada em Lajeado (RS), produz aproximadamente 70 mil toneladas de produtos divididos em cinco linhas básicas de produção: balas de goma, pastilhas, goma de mascar, gelatina e refresco em pó. Ao todo, o mix de produtos oferece 130 diferentes opções de doces. Do total da produção, 15% são exportados para mais de 50 países.

A boa notícia da instalação da unidade de Vitória também se estende aos fornecedores, já que a empresa vai comprar açucar, glucose, amido, embalagens, caixas conjugadas e display de cartões diretamente de empresas pernambucanas. “A realidade do mercado nordestino já está consolidada e agora queremos agregar valor aos produtos para aumentar a participação no mercado e estimular a criação de mais empregos”, completou Heineck.