Ceclin
set 02, 2008 2 Comentários


Desabrigados das chuvas terão casas

Os desabrigados das enchentes de 2005 estão recebendo novas residências em “reparo” ao que perderam. Em meados de agosto do próximo ano, 320 famílias do município de Moreno deverão inaugurar suas novas casas. O contrato de construção das unidades habitacionais e implantação de um programa emergencial no conjunto habitacional do setor norte de Moreno, situado no Alto Santo Antônio, já foi assinado entre a Companhia Estadual de Habitação e Obras (Cehab) e a construtora vencedora da licitação. A previsão é de que as obras levem cerca de 12 meses para serem concluídas. De acordo com o presidente da Cehab, Jorge Carrero, a ordem de serviço para o início dos serviços deverá ser dada, ainda esta semana, pelo governador Eduardo Campos. “A construção das casas começa este mês. Essas famílias foram cadastradas na época das enchentes por um convênio entre os governos Federal, Estadual e Municipal”, assegurou, lembrando que, em novembro de 2007, já foram entregues 80 unidades habitacionais.
As fortes chuvas dos dias 30 de maio e 2 de junho de 2005 provocaram enchentes em 25 cidades do Agreste, Zona da Mata e Litoral pernambucanos, deixando 36 mortos e mais de 30 mil pessoas desabrigadas. As cidades de Moreno, Vitória de Santo Antão, Jaboatão, Nazaré da Mata, Pombos, Ribeirão, Cabo e Escada foram as mais atingidas. O presidente da Cehab afirmou que o total de investimentos nessas habitações são de aproximadamente R$ 75 milhões, sendo cerca de R$ 60 milhões do Estado e o restante (R$ 15 milhões) da União.
Segundo Jorge Carrero, o Poder Executivo chegou a investir mais de R$ 700 mil, este ano, na aquisição de terrenos em Jaboatão dos Guararapes e está sendo concluída a licitação para a construção de outras 1.055 mil residências no município. “Também são 90 casas em Escada, 20 em Amaragi (em construção), 200 em Primavera (em licitação), 63 no Cabo de Santo Agostinho (dando ordem de serviço), 29 em Nazaré da Mata, 30 em Vicência e oito em Gravatá (em processo de ordem de serviço)”, salientou.
Em Vitória do Santo Antão, Município que teve o maior número de casas destruídas, deverão ser concluídas 455 novas residências até novembro deste ano. “O trabalho já está na fase de desenvolvimento da infra-estrutura, instalação do sistema de esgotamento e abastecimento de água”, disse Carreiro. Segundo ele, está sendo elaborada a licitação para a construção de outras 145 unidades habitacionais na cidade. (Folha de Pernambuco).