• Ceclin
jun 22, 2010 0 Comentário


Depois de alta, preço do milho recua

Publicado em 22.06.2010

Milho irrigado, plantado no Agreste e Sertão do Moxotó, garantiram a oferta do grão. Preço da mão, cuja previsão era chegar a R$ 20, caiu para R$ 15

O preço do milho sofreu uma reviravolta com a proximidade dos festejos juninos. No começo deste mês, a expectativa era que a mão (50 espigas) fosse vendida a R$ 20 no Centro de Abastecimento Alimentar de Pernambuco (Ceasa-PE), um valor 11% mais caro que os R$ 18 cobrados em 2009.
Isso aconteceria em função das perdas ocasionadas pela falta de chuvas em maio a produtores do Agreste e Sertão que não trabalham com irrigação em suas pequenas lavouras.
Só que a produção de milho irrigado – que antes iria apenas garantir parte do abastecimento – registrou um aumento inesperado. O resultado foi a queda no preço para R$ 14, chegando no máximo a R$ 15.

O milho do tipo irrigado vem principalmente das cidades de Passira, Bonito e Camocim de São Félix, no Agreste, e Ibimirim, no Sertão do Moxotó. Além delas, há a chegada constante do grão da Paraíba, Rio Grande do Norte e Ceará. A diferença é que os produtos vindos de outros Estados estavam aportando para garantir estoque e, por causa do frete, encareciam o valor da mão na Ceasa-PE. Agora, eles serão apenas complementares.

Outro detalhe importante é que as chuvas que provocaram um rastro de destruição em diversas estradas do Estado não atrapalhou a chegada de caminhões na Ceasa-PE, o que também poderia deixar o milho mais caro. De acordo com o presidente do centro de abastecimento, Romero Pontual, ontem foram registrados 108 caminhões no local.

“Esperamos mais 100 até quarta-feira. A Ceasa-PE está funcionando 24 horas por dia desde o dia 11. Iremos manter esse esquema até as 18h do dia 23. Nossas estimativas dão conta que venderemos 11 milhões de espigas este ano”, acrescentou.
(Jornal do Commercio).