Ceclin
ago 26, 2021 0 Comentário


Demandas da Mata Sul pautam sétima rodada do projeto Fala Pernambuco

Alepe e Sebrae lançaram o “Fala Pernambuco”, uma agenda para as pequenas empresas. Foto: Divulgação

A escuta do setor produtivo da Zona da Mata Sul, na tarde da quarta (25.08), teve como destaque as demandas para fortalecer o turismo e a economia criativa nos municípios da região. O encontro fez parte da programação do Fala Pernambuco, projeto liderado pela Assembleia Legislativa, em parceria com o Sebrae. Nove regiões de desenvolvimento do Estado já receberam a iniciativa.

O ex-deputado Eduíno Brito, que é superintendente parlamentar da Alepe, abriu a sétima edição do evento, salientando que todas as sugestões vão ser encaminhadas ao Poder Executivo das esferas estadual e federal. Em seguida, a prefeita de Sirinhaém, Camila Machado, analisou os impactos da crise sanitária ocasionada pela Covid nos pequenos negócios. Segundo ela, a retomada deve começar pelo incentivo à cadeia produtiva do turismo nas praias do Litoral Sul, pensando não apenas nos grandes empreendimentos hoteleiros, mas no pescador artesanal, nas marisqueiras, e em outros trabalhadores que sobrevivem da atividade turística.

Dividida por eixos temáticos, a exposição dos representantes da Mata Sul começou pelo setor agropecuário. O presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Pombos, João de Ronda, cobrou a recuperação das rodovias estaduais, que estariam carentes de manutenção e sinalização. Segundo ele, os assentamentos da região têm dificuldade de escoar produtos devido à precariedade das estradas. A dragagem dos açudes e barragens, para ampliar a capacidade de armazenamento d’água, também foi cobrada por João de Ronda, bem como uma assistência mais ampla do Instituto Agronômico de Pernambuco, o IPA.

Ele ainda denunciou a cobrança abusiva de taxas de romaneio recolhidas pela Ceasa do Recife, e também pela de Caruaru: “Os produtores que saem das suas propriedades para vender na Ceasa estão sofrendo com essas taxas abusivas e os tratamentos hostis pra arriar seus mangaios  no pátio lá, não pode, ou você entrega lá pro camarada que já está lá na área, ou então você pra ele… agora imagina isso está acontecendo na Ceasa de Caruaru também”.

A empresária Terezinha de Jesus Melo, presidente do CDL de Escada, expôs dificuldades do setor de comércio e serviços. Ela cobrou mais cuidados do Estado em relação ao aterro sanitário do município, devido à presença de catadores. Os comerciantes e a população também sofrem com assaltos constantes na PE-45. A representante do município de Escada pediu, ainda, maior aporte de crédito para os pequenos empreendedores da Mata Sul que, segundo a presidente do CDL, é uma região “esquecida”, carente de um plano de desenvolvimento.

O setor de turismo e economia criativa também trouxe demandas. Falando em nome do segmento, Brenda Silveira lembrou que o turismo gera 120 mil empregos diretos e indiretos em Pernambuco, sendo o maior percentual dessas vagas na Mata Sul. Ela falou da urgência de uma linha de transporte público que faça o itinerário do Aeroporto do Recife aos destinos litorâneos, para atender aos voos que chegam e saem do Estado. Brenda também chamou a atenção para a concorrência “danosa” sofrida pelos donos de pousadas em relação aos flats, que geram menos empregos que as hospedagens tradicionais: “Existe uma informalidade, um crescimento desenfreado desse meio de hospedagem aqui na nossa região, e a gente precisa estruturar, fazer um estudo de capacidade de carga, como precisam ser esses estabelecimentos”.

Brenda Silveira também pediu mais apoio e capacitação para os trabalhadores da cadeia do artesanato, sobretudo das comunidades de Porto de Galinhas, como Socó, Salinas e Pantanal. A atração da rede bancária para Tamandaré, que não dispõe de  agências  para atender os empreendedores e a população em geral, também integra as prioridades da Mata Sul.

Na conclusão do encontro dessa quarta, o presidente da Alepe, deputado Eriberto Medeiros, do PP, falou da boa receptividade do projeto Fala Pernambuco entre a classe empresarial. “Esses avanços, essas discussões já têm surtido efeito, e muito efeito de reconhecimento, quando notamos que, nessas duas últimas semanas que estivemos em uma pauta em conjunto com o governador, lá no Sertão do São Francisco, e outra no Sertão do Araripe, já fomos abordados por empreendedores que ali estavam e dizendo da satisfação de terem participado das reuniões desse projeto”.

A próxima escuta do projeto vai ser na Mata Norte, no dia primeiro de setembro. Em seguida, o ciclo de encontros regionais será concluído com a coleta de propostas do setor produtivo da Região Metropolitana do Recife.

da ALEPE