Ceclin
fev 04, 2011 1 Comentário


De repente, o perigo

Diario Urbano

por Luce Pereira,

Diário de Pernambuco.
sexta-feira, 4 de fevereiro de 2011

Não é só no caminho poético de Carlos Drummond de Andrade que há uma pedra, não. No de gente bem nascida que possui casa em Gravatá, também.

Por causa da ameaça que ronda quem decide pegar a estrada depois das 20h, rumo a um fim de semana confortável e tranquilo na cidade, um casal resolveu lotar a caixa de e-mails de amigos com uma história que bem poderia ser averiguada pela polícia, diante da repetição dos mesmos relatos.
Na última sexta-feira, quando passavam pelo viaduto de acesso a Vitória de Santo Antão, os dois ocupantes de um carro de luxo ouviram barulho estrondoso, em cima do veículo, e logo à frente, ao parar em um posto de combustível, puderam ver do que se tratava e a dimensão do perigo – uma prática comum no Rio, muito vista no notíciário, em 2010.
Com o peso de um paralelepípedo atirado de cima do viaduto, que quase atingiu a pessoa sentada no banco de passageiro, a lataria do teto foi cortada em dois lugares, resultando em buracos profundos.

O motorista, atento, nem olhou para trás e acelerou, apenas intuindo que com menos de 10 centímetros a pedra teria destroçado o vidro e atingido em cheio o carona.
Longe de parecer surpresas, pessoas que estavam no posto e ouviram o caso disseram já ter escutado relatos semelhantes.

Só falta mesmo a polícia tirar a prova dos nove, sem medo de ser ela a próxima vítima, porque bandidos devem ao menos supor que jogar paralelepípedo em viatura policial é mau negócio.