Ceclin
Maio 24, 2016 0 Comentário


De novo: Últimas chuvas deixam principais vias de Vitória alagadas

Mais uma vez o Centro Comercial da Vitória de Santo Antão foi palco repetidamente dos seus históricos de acúmulos d’água em toda extensão da Rua dos Borges, Rua Eurico Valois, Avenidas Mariana Amália, 15 de Novembro e Miguel Arraes (antiga Estrada Nova), decorrentes do temporal que persiste desde a madrugada desta terça-feira (24/05), na região da Zona da Mata pernambucana. Outras áreas urbanas também sofreram com alagamentos, a exemplo do Viaduto do Cajá e grande parte das comunidades de Água Branca.

Foto Pedro Silva A Voz da Vitória

Rua dos Borges na manhã desta terça-feira (24/05/16). Foto: Pedro Silva / A Voz da Vitória

Previsão do tempo para toda a terça-feira (24) e quarta-feira (25) em Vitória de Santo Antã

De acordo com a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac), foram 91milímetros (mm) de precipitação nas últimas 24 horas, volume esperado para 19 dias. O valor é equivalente a 66% do esperado para o mês de maio no município, já que, normalmente, são esperados 138mm para o mês de maio no município. Segundo o meteorologista Roberto Pereira, da Apac, um alerta de chuvas já havia sido emitido para esta terça (24) , mas somente para o Recife e a Região Metropolitana (RMR). Na quarta (25), a expectativa é de diminuição do volume. “Amanhã, deve ter chuva principalmente no turno da manhã, mas deve diminuir a intensidade ao longo do dia”, explica o meteorologista Roberto Pereira.

Falta de recursos

De acordo com a Prefeitura de Vitória de Santo Antão, o problema do Centro da cidade está relacionado a um canal que corre sob a Avenida Mariana Amália e que recebe água da chuva de todos os pontos altos da cidade. Com o volume acentuado de chuvas registrado nas últimas horas, o problema se agravou. Por meio de nota, a Prefeitura também informou que há um projeto apresentado ao Ministério das Cidades de solicitação de verba para solucionar o problema. Entre as obras previstas está a drenagem do Rio Tapacurá, que corre dentro da cidade, e o alargamento de uma ponte. Ainda de acordo com a nota, o município espera pelos recursos há dois anos.