Ceclin
Maio 26, 2020 0 Comentário


Crise atinge a agricultura familiar em Pernambuco

Representando 70% dos alimentos que chegam à mesa dos brasileiros, os agricultores familiares enfrentam desafios durante a pandemia do novo coronavírus. Redução da demanda, dificuldade para escoar os produtos devido à necessidade do isolamento social e a queda dos preços são alguns dos fatores que dificultam a vida desses trabalhadores. O Instituto Agronômico de Pernambuco (IPA) acompanha essas famílias e oferece ações de apoio para o enfrentamento dessas dificuldades.

Este formato de agricultura tem como base o compartilhamento do trabalho na família e representa, para cada grupo, sua principal fonte de renda. O agricultor mantém uma relação particular com a terra, seu local de moradia e trabalho. De acordo com o diretor de extensão rural do IPA, Reginaldo Alves, a agricultura familiar é responsável por 80% a 90% da dos alimentos contidos na cesta básica pernambucana. O instituto atende cerca de 50 mil famílias empregadas neste sistema no Estado.

Com a pandemia, surgiram desafios diante de um momento importante para a agricultura familiar em Pernambuco. O IPA, portanto, desenvolve algumas atividades de apoio ao setor. “O principal objetivo de nossas ações nesse contexto é aproveitar e garantir a renda nesse momento de chuva super importante para o cultivo. No Sertão, ou se planta até o mês de março ou o ano está perdido. No Agreste, o limite é o mês de maio”, avalia Reginaldo.

Seguindo determinações sanitárias de isolamento e saúde, o IPA oferece suporte aos agricultores que desejem se cadastrar para receber o auxílio emergencial do Governo Federal, realizam processos de renovação de documentos e financiamentos, criação de grupos no WhatsApp com os agricultores para compartilhamento de informações e debates acerca do cultivo, produção e reuniões por videochamada. Além disso, o IPA desenvolve e distribui digitalmente, materiais em formato de card para conscientização sobre o coronavírus e informações técnicas sobre prevenção durante este período. “Já estamos no oitavo card com circulação nas redes sociais, incluindo o WhatsApp. Orientamos também a fabricação de máscaras, como higienizar os alimentos e o corpo, além de boas práticas de conservação dos produtos. Uma equipe está focada nessa produção de conteúdo durante este período”, garante Reginaldo.

Aprovado no dia 14 de maio, por unanimidade em segunda votação na Assembléia Legislativa de Pernambuco (Alepe), o Programa Estadual de Aquisição de Alimentos auxilia na garantia da renda para o agricultor e na alimentação para diversos órgãos. A medida cria uma regra onde a compra de alimentos para os equipamentos estaduais (hospitais, polícia militar, sistema penitenciário, etc) considere um mínimo de 30% originários da agricultura familiar, pescadores artesanais, povos e comunidades tradicionais.

Essa medida reforça o programa já existente anteriormente em parceria com o Ministério da Cidadania, chamado de Programa de Aquisição de Alimentos (PAA). Reginaldo conta que, com investimento de R$ 9 milhões, o vencimento do projeto é em junho, a nova proposta estima um financiamento de R$ 12 milhões para as aquisições de alimentos oriundos da agricultura familiar em Pernambuco. “Nesse momento de pandemia, precisamos dar esse suporte técnico para que a agricultura familiar continue suas atividades”.

Reginaldo reforça a necessidade de ações que auxiliem nesse momento. “Estamos fazendo um trabalho junto à Secretaria de Desenvolvimento Agrário de atenção às feiras locais (agroecológicas e orgânicas). Pensamos que, nesse momento, a dificuldade de acesso aos mercados e alguns pontos de venda ficou mais complicado e se torna importante a criação de novos mecanismo de contato com o consumidor, seja por entregas em domicílio e relacionamento via plataformas virtuais”.

O IPA reúne mais de 400 técnicos nos 185 municípios de Pernambuco, incluindo Fernando de Noronha, onde os profissionais desenvolvem um mapeamento da capacidade produtiva da Ilha, estimulando uma produção local que auxilie na independência do continente, que acaba por elevar o preço de alguns produtos.

Por João Barbosa,
Folha de Pernambuco