Ceclin
ago 30, 2022 0 Comentário


Crime passional e ou latrocínio cercam investigação da morte do Professor Edivaldo Silva

A Polícia Civil da Vitória de Santo Antão, na Mata Sul pernambucana, se pronunciou na segunda-feira (29.08) quanto ao inquérito investigativo que está sendo efetuado diante do assassinato do Professor de Geografia Física, Edivaldo Pereira da Silva, de 31 anos, morto com três tiros na região da cabeça e um disparo no braço, na madrugada da última quinta-feira (25.08), em uma estrada de barro do Engenho Una, área rural do Município.

O veículo pertencente ao Professor que foi levado junto com o celular após o crime, um Fox preto ano 2014, de Placa OYZ-3353, foi localizado pela equipe policial na noite da última sexta (26), em um canavial do Distrito de Jussaral, perímetro rural do Cabo de Santo Agostinho, a cerca de 10 km de distância onde o corpo da vítima foi visto por populares. A perícia inicial do carro foi feita pela manhã da segunda-feira no pátio do Complexo Policial de Vitória. Foram encontrados nove fragmentos digitais nas portas e retrovisores do veículo, que logo após foi removido para o Instituto Tavares Buril (ITB), a fim de identificar os autores das digitais. Dentro do automóvel foi achada uma garrafa pet e também caixa com lâmpadas de farol, que serão submetidos à análise técnica da Polícia. O celular da vítima continua sumido, porém a Polícia Civil já requisitou junto à operadora de telefonia o extrato de ligações do aparelho.

Segundo a Polícia, transferências em dinheiro via Pix foram constatadas durante o crime. Os joelhos da vítima estavam com lesões, o que aponta que o professor sofreu tortura para forçar o repasse de senhas bancárias. Pelo menos sete pessoas foram ouvidas na Delegacia de Vitória até o momento.

Apontado inicialmente como latrocínio (roubo seguido de morte), a Polícia Civil também não descarta a hipótese de ‘crime passional’. Durante as investigações, foi levantado que o professor poderia conhecer um dos algozes do crime, pelo qual possivelmente mantinha um relacionamento sexual.

“Essas duas linhas de investigação seguem para a conclusão do inquérito. Queremos concluir o quanto antes para dar uma resposta a família da vítima e a sociedade. Ainda é precoce falar detalhes desse crime, mas temos suspeitos sim”, adiantou Luís Paulo, um dos delegados que vem acompanhando o caso.

Formado pela UFPE, Edivaldo Silva lecionava Geografia na rede escolar da região. Personalidade querida por todos, ele detinha uma vida sócio-cultural atuante, além de ser um religioso aplicado contribuindo nos trabalhos das Paróquias Católicas da cidade. O sepultamento do Professor ocorreu no Cemitério São Sebastião no final da tarde da sexta (26) prestigiado por uma multidão comovida.