• Ceclin
dez 02, 2011 0 Comentário


CPI vira polêmica em Altinho no Agreste

JC Online

A criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) na Câmara de Altinho, Agreste, para investigar denúncias de contratação de empresas fantasmas pela prefeitura, está causando polêmica na cidade. A oposição afirma que a CPI foi criada na sessão de quarta-feira (30), com a assinatura de três parlamentares. Já o líder do governo diz que comissão é ilegal e quer anular a investigação na Justiça.

De acordo com o presidente da Câmara, José Alves (PR), a assinatura de três vereadores (um terço dos parlamentares) é suficiente para instaurar a CPI. Além dele, assinaram o pedido os vereadores Luiz Florêncio (DEM) e Jaqueline Castro (PMDB). Segundo José Alves, os trabalhos devem começar dentro de dez dias. O objetivo é investigar denúncias levantadas pelo Ministério Público de que as empresas JB Construtora e a Construtora Multimídia, contratadas pela prefeitura, são fantasmas. “A Multimídia foi constituída com documentos furtados. Já a JB tem laranjas”, acusa o presidente da Câmara.

Mas o líder do governo no Legislativo, Antônio Marcos da Silva (PP), conhecido como Toinho Batingal, afirma que a CPI está sendo feita de forma ilegal e que vai anular sua criação na Justiça. “O pedido de instalação da comissão não passou por votação no plenário, como deveria. Além disso, José Alves, como presidente da Câmara, não poderia ter assinado”, argumenta.

As empresas JB Construtora e a Construtora Multimídia, que estão sendo investigadas pelo Ministério Público em Altinho, também já prestaram serviços a outros instâncias de poder, inclusive ao governo do Estado, à Assembléia Legislativa e ao Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE). De acordo com documentos do Portal de Transparência do governo de Pernambuco, a contratação das empresas já acontecia desde 2007.

Em Altinho, a JB Construtora foi responsável pela construção de uma Academia das Cidades, cujas obras começaram em 2009. Apesar de ainda não ter sido inaugurada, a praça já está deteriorada e também apresentou várias falhas. Por determinação do Ministério Público, a Prefeitura de Altinho acionou a JB Construtora, que está refazendo os serviços.

Já a Construtora Multimídia foi contratada pela prefeitura para serviço de locação de veículos. O serviço incluiu o transporte escolar e foi realizado entre 2009 e 2010, ao custo de R$ 110 mil ao mês.