Ceclin
jul 01, 2010 5 Comentários


Convenção de Eduardo Campos

Confira as fotos…

É Eduardo, João, Armando e Humberto

Frente Popular homologa chapa que disputará eleições majoritárias em Pernambuco

Recife – Os partidos que compõem a Frente Popular de Pernambuco homologaram nesta quarta-feira (30) a chapa que vai disputar as eleições majoritárias no Estado neste ano.
O governador Eduardo Campos (PSB) concorrerá à reeleição, mantendo como candidato a vice o atual vice-governador, João Lyra Neto (PDT), e tendo como nomes ao Senado Federal o deputado federal Armando Monteiro (PTB) e o ex-secretário das Cidades Humberto Costa (PT). A homologação ocorreu em convenção da Frente Popular, no Clube Português, no Recife.


À frente de uma ampla coligação com 17 partidos, o governador Eduardo Campos (PSB) conclamou a militância presente à convenção que homologou sua candidatura à reeleição, ontem, a se mobilizar para construir “a maior vitória política da história de Pernambuco”.
Em discurso, com muitos recados velados à oposição, Eduardo ressaltou em vários momentos a unidade das forças políticas que o apoiam, afirmando tratar-se de uma aliança construída com base no diálogo e procurando afastar fisiologismos. “É a maior aliança política que Pernambuco já viu. O que nos une aqui não é o desejo de disputar cargos, é desejo de seguir construindo um Pernambuco mais equilibrado, mais justo”, discursou o governador.

O Clube Português do Recife, local da convenção, estava com suas dependências tomadas. A organização do evento estimou o público entre 10 mil a 18 mil militantes. O evento não foi tão discreto quanto Eduardo desejava – ele havia pedido aos organizadores uma festa discreta em respeito às vítimas das enchentes e, em discurso, chegou a dedicar “a energia da festa” a todos os atingidos pelas cheias. Os candidatos a deputado federal e estadual mobilizaram numerosa militância e grupos de maracatus e percussão para animar o ato.

Além de ressaltar a unidade dos aliados da Frente Popular de Pernambuco, o governador procurou pregar na coligação que apoia a principal candidatura de oposição, a do senador Jarbas Vasconcelos (PMDB), a marca da “baixaria” e da “agressão”, afirmando que manterá sempre uma linha propositiva.

“Não vai ter agressão, desespero, pancadaria, aquele velho jogo que nós conhecemos. Eu vou garantir essa campanha, uma campanha limpa. Não vou sair da minha casa para falar mal de quem quer que seja, nem para agredir adversários”, afirmou. Mesmo não citando nomes, as palavras do governador tinham referência ao estilo combativo do senador Jarbas Vasconcelos nos embates com adversários.

Em entrevista, após o evento, Eduardo informou que vai apresentar seu programa de governo com três pilares principais. “Um é cuidar da qualidade de vida, que dialogue com educação, saúde, mobilidade, saneamento, água, habitação, outro é a economia: como adensar novas cadeias produtivas, inovação para melhorar a produtividade, como ligar as pessoas ao que vai acontecer no futuro da economia, e o terceiro é a estruturação do Estado do fazer: com políticas públicas voltadas a quem mais precisa”, afirmou.
O programa de governo ainda será fechado e só deve ser apresentado em agosto. Eduardo também informou que só vai à campanha de rua no final de julho. Até lá, disse, pretende dedicar o tempo à estruturação dos programas de ajuda e reconstrução das áreas atingidas pelas enchentes.

A emoção marcou os minutos finais do discurso do governador Eduardo Campos, quando ele fez referência e agradeceu a colaboração que sempre recebeu da sua esposa Renata, e de seus filhos. O governador não esqueceu de citar os momentos difíceis passados pelo ex-secretário Humberto Costa durante o período em que este processado na Polícia Federal.


O governador se disse mais disposto hoje do que em 2006 por ter muito mais gente junto de si. Chegou até a fazer uma analogia com o futebol, lembrando que um time coeso como o atual, no seu entender, é que ganha mais. ‘No dia 3 de outubro à noite vamos às ruas dizer que Pernambuco venceu”, disse.