• Ceclin
dez 26, 2009 2 Comentários


Como Lula turbinou o mínimo


do JC Negócios

Agora que o Congresso acertou que o salário mínimo no Brasil será de R$ 510, já a partir do dia 1º, cabem dois minutos de conversa como ao longo do seu governo, o presidente Lula da Silva turbinou o menor rendimento que oficialmente pode ser pago a um trabalhado do Brasil e como ao terminar seu governo cumprirá a promessa de elevá-lo a US$ 300.

É verdade que a partir de janeiro, o mínimo não estará em US$ 300, mas pela cotação média desta semana (US$ 1,757) será de US$ 290,260. Na média, podemos dizer que o Governo Lula pagou US$ 209,88. Se a mesma conta fosse feita medindo o quanto o mínimo valia no dia em que começou a cotação oficial do dólar, os governos Itamar e FHC teriam pago um salário mínimo médio de US$ 88,98.

O salário mínimo do último Governo Lula, se comparado com os US$ 64,79 (quando em 1994 o Real teve paridade igual ao dólar), quer dizer que um trabalhador recebe hoje mais de US$ 225 a mais do que recebeu nos tempos de Itamar Franco.

Mas o verdadeiro impacto do mínimo está na economia. Segundo um estudo do Dieese sobre o assunto, quando o Governo Federal eleva – como fez este ano – em R$ 50 o salário mínimo, isso quer dizer uma injeção de R$ 27,8 bilhões na economia.

E a consequência disso são mais R$ 6,8 bilhões na arrecadação Previdência. Nos gastos da Previdência, segundo o estudo do Dieese, para cada real que se paga a mais no salário mínimo, isso dizer que a folha de benefícios sobe R$ 215,1 milhões ao ano.

Talvez isso explique um pouco porque Lula tem uma aprovação tão alta entre a população de baixa renda. (Jornal do Commercio).